HISTORIANET

Brasil Colônia

Bolos e docinhos

EXTRA! EXTRA! PROIBIDA A PRODUÇÃO DE BISCOITOS, BOLOS E DOCINHOS EM LISBOA


Por Cristiano Catarin

O ano de 2008 está sendo especial para a historiografia brasileira em relação à temática da transferência da família real portuguesa ao Brasil ocorrida em 1808. O bicentenário deste importante episódio da História proporcionou um salto no debate historiográfico, desenvolvendo e enriquecendo diferentes abordagens que envolvem todo o processo histórico como: os antecedentes, os preparativos, a própria viagem e a chegada e permanência de uma corte européia na América entre 1808 e 1821.

Entretanto, nossa parada será os últimos meses do ano de 1807, em Lisboa, momentos primorosos que antecederam a tão discutida atitude tomada e realizada por d. João em 29 de novembro, quando então a família real, tudo e todos que significassem o aparelho político, administrativo e até religioso da corte portuguesa foram lançados ao mar rumo ao Brasil.

O último trimestre de 1807 foi tomado por grandes modificações no cotidiano da cidade de Lisboa, em Portugal.

De um lado, havia uma combinação de práticas religiosas e demonstrações de preparos militares, de outro, falatórios, boataria e intrigas, a cidade portuguesa estava refém das tensões que rondavam as decisões e indecisões do príncipe regente d. João quanto a escolha de qual posição tomar frente às pressões exercidas em terra, por meio das ameaças do então imperador francês Napoleão Bonaparte, e pelo mar, pela Inglaterra, detentora do maior poderio marítimo da época.

A realidade dos fatos causava desconserto de idéias em d. João, e esse sentimento do príncipe aumentava com os boatos que pairavam pelas ruas de Lisboa, como o exemplo de que diziam que se o príncipe regente de fato fosse lançar-se ao mar com destino ao Brasil, sua embarcação seria “engolida” pelas águas e ninguém iria sobreviver.


A cidade portuguesa estava agitada, sendo palco de rezas e crenças e, ao mesmo tempo, de muitas preocupações de combate de encontrar maneiras para o melhor preparo militar. Toda a agitação acabou alcançando diversos setores de Lisboa. Toda instabilidade e insegurança acabaram atingindo o mercado local da cidade, que naquela época apresentava escassez de mantimentos, especialmente a falta de carne e de trigo.

Esta situação fez o governo baixar um edital regulando o consumo da farinha, restringindo seu uso exclusivamente para produção de pão, proibindo, portanto, a produção de biscoitos, bolos e docinhos. Um verdadeiro racionamento de trigo estabeleceu-se em Lisboa. Os famosos pastéis de Belém, famosa iguaria da culinária portuguesa, foram diretamente atingidos pelo edital disposto em 16 de novembro de 1807.



A escassez de víveres representa o tamanho das dificuldades e das incertezas que faziam parte dos portugueses naquela época. Afinal, Portugal estava prestes a demarcar um fato inédito na História, pois, até aquele momento, nenhuma outra monarquia européia havia se transferido para o outro lado do Atlântico.

Para sabe mais:

SCHWARCZ, Lilia Moritz. A Longa Viagem da Biblioteca dos Reis: do terremoto de Lisboa a independência do Brasil. Colabs. Paulo César de Azevedo, Ângela Marques da Costa: Companhia das Letras. São Paulo, 2002.



E-mail: cristiano@historianet.com.br
Blog: www.historiaecia.zip.net
outubro de 2008

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET