HISTORIANET

Brasil República

Amazônia

De Galvez a Chico Mendes: o discurso branco na tela da globo.

"Exijo a possibilidade de viver plenamente a contradição da minha época, que pode fazer de um sarcasmo a condição da verdade." (Roland Barthes)


A minissérie global "Amazônia: de Galvez a Chico Mendes" pretende contar os cem primeiros anos da história do Acre. O primeiro capítulo transmitiu a idéia de que a história do Acre começou com a chegada dos nordestinos e que a fundação do Acre ocorre com Galvez. Há uma pergunta que não quer calar: cadê os mais de 150 mil índios, divididos em quase 50 povos, que moravam há mais de 10 mil anos no território que o branco passou a chamar de Acre?

O Acre é uma invenção do branco. Um branco do gênero masculino, de classe econômica abastada e de nacionalidade brasileira. A história que estamos vendo na telinha turva da Globo é uma representação midiatizada de um discurso marcado por efeitos de poder. Um discurso branco para entreter o próprio branco.

A presença milenar dos indígenas nas terras de Galvez se "desmancha no ar". Quem fundou o Acre para o reino da civilização foram os heróis brancos, o que ficou para trás é somente barbárie e pré-história. Índio não tem vez. Índio não entra em cena. Quando entra é para acentuar a bravura dos brancos na saga da conquista e para fazer 150 milhões de telespectadores brancos se divertirem com o que chamam de exótico.

A minissérie está atravessada por uma política de produção do saber. Ela materializa um discurso marcadamente ideológico e o faz funcionar como evidência. É a "ordem do discurso" da qual Foucault tanto falava. Os discursos são governados por formações discursivas, que regram o aparecimento de certos enunciados e determinam o que pode e deve ser dito num dado momento e num dado lugar.

A "Ordem do Discurso" limita a visibilidade, fixa um sentido desejado e, neste caso, dirige o olhar do telespectador. O objetivo da minissérie não é problematizar a história do Acre; pelo contrário, é regrar o olhar de quem a enxerga. Ela põe em funcionamento mecanismos de organização do real, por meio dos quais, somos interpelados a crer que a história é realmente contínua, linear e teleológica.

Mas, Nietzsche e Foucault nos afirmam que a história é descontínua. É pulverizada por rupturas. A regularidade histórica é um efeito de sentido criado pela ideologia, que esconde a emergência da singularidade dos acontecimentos. A unidade histórica está ligada a sistemas de poder - a uma "ordem do discurso" que fixa um sentido desejado.

A milenar presença indígena nas terras de Galvez é sacrificada para que se construa um momento inaugural de origem branca. Esse fenômeno é chamado pela filósofa Marilena Chauí de mito fundador. Jacques Derrida diz que esse discurso nos remete "... a uma origem em que nada começou, à gênese de um ego que não existe".

Amazônia: de Galvez a Chico Mendes aparece como a narração do "eu" acreano. Como se o acreano tivesse marcas de nascença ou uma identidade fixa espelhada nos "heróis" Galvez, Plácido de Castro e Chico Mendes. O acreano - assim como o brasileiro - não tem um ego, mas muitos, um para cada situação. O "eu" que exterminava os índios nas "correrias" em prol da formação de seringais não é o mesmo que se uniu com os remanescentes indígenas em defesa da floresta nos anos 80.

Queremos agitar o que nos mostram como imóvel. A identidade é híbrida, o perfil é movente, a origem é vacuolar. Um mosaico de sentidos, e não um sentido apenas! A mesma retórica que significa uma identidade para o acreano é a mesmo que desloca o índio para a insignificância.

Não foi o índio que explorou de forma predatória a seringueira existente no Acre, no conhecido primeiro ciclo da borracha. Não foi o índio que derrubou centenas de árvores acreanas para ganhar dinheiro com o comércio madeireiro. Não foi o índio que queimou milhares de hectares da floresta no Acre para produzir pastos para bois nos anos 70 e 80. O índio não negocia a floresta com bancos internacionais, muito menos ganha dinheiro fazendo minissérie sobre a Amazônia. Quem faz tudo isso, é o branco.

Os índios são defensores naturais da floresta, embora não recebam prêmios na ONU, muito menos monumentos no centro da capital acreana. O branco sente a necessidade de criar heróis para amenizar-lhes a consciência acusadora e para projetarem-se politicamente sobre outros brancos.

Todo discurso possui brechas, mesmo os que aspiram ao status de verdade. Nesse artigo, nos colocamos em uma das fissuras desse discurso midiático sobre a história do Acre - a interdição do índio.. É nas gretas que o sentido se mostra tenso. É no entre-lugar que se ouve as vozes silenciadas, que se vê as múltiplas resistências e que se pode reivindicar o sarcasmo como a condição da verdade!

Eduardo de Araújo Carneiro é professor de História, concludente do curso de Economia e acadêmico do Mestrado em Letras pela UFAC. (Un. Federal do Acre).

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET