HISTORIANET

Notícias

Sobre terrorismos

"É preciso desconfiar do uso político massificado do termo 'terrorismo'"
Por Elisa Marconi e Francisco Bicudo
www.sinprosp.org.br

A memória permanece viva e quase todos nos lembramos onde estávamos naquela manhã ensolarada, em Nova Iorque, nublada em São Paulo, de 11 de setembro de 2001. Eram 8h46 quando o primeiro avião se chocou contra a torre norte do World Trade Center, um dos símbolos da sociedade estadunidense. A partir de então, não tiramos mais os olhos da televisão e, atônitos, acompanhamos ao vivo o choque do segundo avião e, logo depois, a queda das duas torres. Para muitos especialistas, aquele acontecimento deixou definitivamente para trás o século XX, classificado pelo historiador inglês Eric Hobsbawm como a "era do extremos", marcando ainda o início de uma era pautada pelas intolerâncias e pelos fundamentalismos.

Cinco anos depois, Hobsbawm, em análise publicada pela Folha de S. Paulo, afirma que "politicamente, os Estados Unidos estão mais fracos. Economicamente, não estão mais fortes. E descobriram que seu poderio militar é incapaz de resolver todos os problemas". Na mesma Folha, Neil MacFarlane, de Oxford, diz que "a principal mudança é o enfraquecimento das leis internacionais sobre o uso da força". Segundo ele, desde que os EUA desenvolveram o conceito de defesa preventiva, a principal potência do mundo quer ter o direito de atacar quem quiser, caso se sinta ameaçada. O presidente George W. Bush parece não se importar com as críticas. Em discurso feito em cadeia nacional, por conta da passagem dos cinco anos dos atentados, reforçou a idéia da "guerra ao terror como uma luta por civilização". O tom ufanista foi engrossado pelo vice-presidente Dick Cheney, para quem os EUA fizeram um trabalho quase perfeito na área de segurança, e pela secretária de Estado, Condoleezza Rice, que garantiu que os estadunidenses vivem hoje muito mais seguros. Argumentos oficiais à parte, a data abriu espaço para que o dissenso e o contraditório pudessem também se manifestar, conduzindo a discussão por outros caminhos. Na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), o Núcleo de Sociabilidade Libertária (Nusol) do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais organizou o colóquio "Terrorismos", que procurou debater o tema a partir dos mais diversos recortes e enfoques. As reflexões apresentadas são no mínimo provocadoras - e instigantes.

Uma das primeiras tarefas, segundo Maria Cristina Franco Ferraz, da Universidade Federal Fluminense (UFF), é desconfiar radicalmente do uso político exaustivo e massificado do termo "terrorismo" e do significado que os discursos oficiais e midiáticos atribuem à palavra. A idéia que se consagra, segundo a especialista, é que o terrorismo seria responsável por todos os males contemporâneos da humanidade. Trata-se de uma mentira que, repetida à exaustão, ganha ares de verdade. Apoiando-se nas reflexões feitas pelo lingüista norte-americano Noam Chomsky, Maria Cristina procura desconstruir a retórica ideológica e instrumentalizada, que procura rotular como terroristas apenas os islâmicos e radicais. "É um termo que só parece fazer sentido para nomear atos dos adversários, que não se aplica aos atos dos ricos e poderosos e daqueles que fazem parte da chamada comunidade global. O problema é sempre o 'outro'", define. Quando são os Estados Unidos e seus aliados quem recorrem ao uso da força, lembra a especialista, justificam tais atos como "diplomacia coercitiva".

A pesquisadora faz também uma provocação um tanto quanto dolorosa. Ao lembrar que a doutrina Bush trabalha cotidianamente a insegurança e o medo, até para justificar o controle e a restrição às liberdades civis, ela destaca que acaba prevalecendo na sociedade um sentimento de onipresença paranóica da guerra invisível. E, nesse sentido, se a ameaça é constante, o acontecimento (atentado) se apresentaria como um desfecho estranhamente apaziguador e tranqüilizador, porque representaria o fim do medo e da ameaça - uma espécie de alívio. "É inquietante", admite. A pesquisadora também rejeita a tese do "choque de civilizações", que colocaria em lados opostos o ocidente cristão e o oriente muçulmano. Partir desse pressuposto significaria aceitar uma divisão maniqueísta e simplista que, colocada dessa maneira, na forma de dualidade, não deixaria alternativas e nos obrigaria a optar por um dos fundamentalismos - o estadunidense ou o islâmico. "Os dois lados não são realmente opostos, pertencem ao mesmo campo. A opção entre Bush e Bin Laden não é a nossa escolha. Os dois são Eles contra Nós", diz. E completa: "a posição a ser adotada é aceitar a necessidade de lutar contra o terrorismo, mas redefinir e expandir os termos, de forma a incluir também alguns atos dos americanos e de outras potências ocidentais".

O auditório lotado fervia - em todos os sentidos - quando o professor Edson Passetti, da PUC-SP, começou a fazer um resgate histórico sobre as diversas manifestações do terrorismo. Até o final do século XX, a prática se concretizava essencialmente de duas formas: de baixo para cima, por meio de ações que tinham como objetivo ocupar ou negar o Estado (um exemplo seria o movimento anarquista) ou no sentido contrário, como política de Estado (perseguições utilizadas para defender as revoluções Russa e Cubana, por exemplo). Após a queda do Muro de Berlim e o suposto triunfo do neoliberalismo em escala planetária, imaginava-se que esse fenômeno estaria controlado, aparecendo apenas como circunstância pontual ou residual - as lutas do ETA (exército basco), na Espanha, e do IRA (exército republicano), na Irlanda.
No entanto, segundo o pesquisador, a Al Qaeda obrigou a revisão dessas consciências racionais sossegadas. Segundo ele, houve um deslocamento da relação terrorismo de Estado e terrorismo contra-Estado para o terrorismo de caráter político-religioso. Ele garante: na sociedade do controle, o terrorismo é a expressão da fusão entre religião e razão. O demônio vem de fora - e é transnacional. "Não é mais uma maneira de justiça, de denúncia, de provocar abalos sociais. Acabou a era do terrorismo revolucionário, mesmo porque as revoluções acabaram em tiranias. Agora, o terrorismo é dos deuses, e os deuses não vivem em fronteiras, apenas anunciam movimentos de rebanhos. Os atuais terroristas não são mais sequer apóstolos, apenas mártires. Vivem para a idéia do deus, a idéia de razão e a idéia de prazer", alerta.

Lançamento do livro "Terrorismos"
Como resultado complementar do simpósio, foi lançado pela editora EDUC, no mesmo dia, o livro "Terrorismos", organizado por Passetti e por Salete Oliveira, também da PUC/SP. A obra sistematiza e documenta as discussões travadas durante o evento. Vale a pena destacar alguns trechos. No artigo "Terrorismo e fundamentalismo: faces do niilismo", Oswaldo Giacoia Junior, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), procura identificar algumas das razões capazes de explicar o surgimento dos terrorismos contemporâneos, bem como as características que eles assumem. A intolerância e a incapacidade de conviver com os diferentes estão na gênese desse processo. Em primeiro lugar, o autor analisa aquilo que chama de fenômeno de regressão. Com o fracasso das soluções políticas negociadas para impasses e conflitos internacionais, a via militar surgiria como última alternativa de sobrevivência para grupos minoritários. A militarização da arena política atingiria também os Estados, que não raro decidem abandonar a força dos argumentos e das idéias para optar pela violência das armas. Quando o diálogo se ausenta, os tanques e metralhadoras dizem presente. Uma segunda questão diz respeito ao próprio processo de globalização, prontamente compreendido e aproveitado pelos grupos terroristas. Afinal, se rompemos as fronteiras e globalizamos o comércio, os mercados, a informação, o entretenimento, os esportes, os empregos, por que não internacionalizar também os ataques terroristas? "Assim como tivemos o surgimento das empresas transnacionais (networks firms), observamos o surgimento do que podemos chamar de redes do terror (networks terror), com células terroristas espalhadas por todo o globo", escreve o especialista.

O terceiro aspecto é crucial para a compreensão do problema. Giacoia trata da profunda crise de valores vivida pelas sociedades, especialmente no ocidente. Princípios como solidariedade, companheirismo, fraternidade, justiça social e ética soam como discurso anacrônico e foram substituídos pelo individualismo, consumismo exacerbado, necessidade de tirar vantagem a qualquer custo, exigência de ter o carro do ano e o celular de última geração. O sujeito deixa de ser reconhecido pelos valores humanos que possa carregar e passa a ser valorizado por sua capacidade de consumir e por sua habilidade e disposição em eliminar o concorrente. O mercado ocupa o espaço da cidadania. "Ora, em suas análises do niilismo europeu, Nietzsche já havia antecipado esse processo de dissolução interna corrosiva da sociedade e da cultura, do qual pode resultar, entre outras figuras possíveis, uma bárbara fúria destrutiva, como uma de suas formas mais expressivas de atestação", diz o especialista. Essa ausência e esse vácuo, no entanto, precisam de alguma forma ser preenchidos - o ser humano sente necessidade de se agarrar a algum tipo de crença. Nesse sentido, lembra o filósofo, torna-se compreensível a reativação da experiência do sagrado. "Essa penúria denuncia uma simbiose, aparentemente contraditória, entre o sentimento de ausência de valor, por um lado, e o ardente desejo de segurança e salvação, de outro, numa trama que nos remete ao tema do fundamentalismo e, com ele, a um retorno ao problema dos terrorismos, pois é manifesta a vinculação contemporânea entre os terrorismos e as diversas modalidades de fundamentalismo", conclui.

Fechando a obra, o texto "Terrorismos e Invulnerabilidades", de André Degenszajn, do Nusol/PUC-SP, lembra que o terrorismo não é um fenômeno recente e que sempre foi alvo de preocupações daqueles que atuam na área de relações internacionais. O autor chama a atenção para a tentativa, mais uma vez carregada de simbologias e instrumentalizações ideológicas, de classificar qualquer movimento contemporâneo de resistência como terrorista - incluindo as mobilizações anti-globalização. Essa estratégia, por alargar o espectro da ação, justifica também a ampliação da reação. Por conseqüência, qualquer adversário torna-se terrorista e deve ser imediatamente combatido e derrotado. "A associação do terrorismo às resistências amplia os dispositivos de exceção e exige a adesão de todos ao controle, em nome da segurança. Diante da ameaça terrorista permanente, impõe-se a continuidade do Estado de exceção. Afirma-se a guerra em nome da paz", analisa o pesquisador.
Na sessão de encerramento do simpósio, o trecho final da exposição feita por Maria Cristina Franco Ferraz pode ser considerado uma das contribuições centrais e norteadoras do evento - até porque se preocupa em iluminar possíveis caminhos futuros. Para ela, "enquanto não enfrentarmos nosso medo, nosso temor e nosso horror pela diferença e pela alteridade, pelos múltiplos e heterogêneos 'outros' em nós e fora de nós, permaneceremos reféns da lógica do terror e de suas múltiplas falácias".

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET