HISTORIANET

Notícias

Reforma Agrária

Conferência aprova resolução defendendo agenda da reforma agrária em nível global

Após cinco dias de debates e reuniões, representantes de 96 países aprovaram resolução final que defende implementação de uma agenda global em defesa da reforma agrária e do desenvolvimento rural. Ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, destacou inovações do encontro, entre elas, a valorização da democracia participativa.
Marco Aurélio Weissheimer - Carta Maior

PORTO ALEGRE - A II Conferência Internacional sobre Reforma Agrária e Desenvolvimento Rural chegou ao fim, na tarde desta sexta-feira (10), com a aprovação de um documento que reafirma o compromisso da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), de 96 países e de organizações da sociedade civil com o "papel essencial da reforma agrária e do desenvolvimento rural para a promoção do desenvolvimento sustentável, que inclui, entre outras coisas, a realização dos direitos humanos, segurança alimentar, erradicação da pobreza e fortalecimento da justiça social, com base no estado democrático de direito". A resolução foi aprovada após cinco dias de intensos debates na conferência que reuniu delegações de 96 países e mais de dois mil participantes credenciados

Na sessão final do encontro, o ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, destacou as inovações que marcaram a segunda conferência (a primeira foi realizada em 1979), entre elas a valorização da idéia de democracia participativa, incluída no documento final. Um dos princípios incluídos na declaração afirma: "apoio a uma abordagem participativa baseada em direitos econômicos, sociais e culturais e na boa governança para a gestão igualitária da terra, água, florestas e outros recursos naturais no contexto de marcos legais nacionais, enfocando o desenvolvimento sustentável e a superação das dificuldades para erradicar a fome e a pobreza".

O documento final, destacou ainda o ministro brasileiro, recupera a agenda da reforma agrária em escala global e atualiza o compromisso com o desenvolvimento rural e o combate à fome. A conferência de Porto Alegre reconheceu a atualidade do documento produzido em 1979, em Roma, na primeira conferência (a "Carta do Campesino"), incorporando a referência à democracia participativa. Além disso, estabelece princípios para garantir a igualdade das mulheres e dos jovens nas políticas agrárias e agrícolas, o desenvolvimento sustentável, a proteção ao meio ambiente, a soberania alimentar e o combate à fome. "Este é um grande aprendizado que incorporamos à qualidade e à atualidade da resolução de 1979", resumiu Rossetto.

A declaração final também defende que uma relação qualificada, estável e permanente entre governos e sociedade civil, cria melhores condições para a solução dos graves problemas da sociedade. "Fomos capazes de inovar, abrindo espaço para a representação direta em plenário da sociedade civil e compartilhando experiências importantes de democracia ativa e participativa", disse. Para Rossetto, a participação da sociedade civil deu-se de maneira inédita, garantindo uma inovação positiva. Pela primeira vez na história da FAO ocorreu a participação direta em plenário da sociedade civil.

O diretor do Departamento de Desenvolvimento Sustentável da FAO, Parviz Koohafkan, também avaliou a conferência de forma positiva, agradecendo ao governo brasileiro pela oportunidade de realizar o evento no País e recuperar uma agenda que permaneceu secundarizada por quase três décadas. "Esta é uma oportunidade muito importante para a humanidade. O órgão das Nações Unidas realiza poucas conferências deste tamanho e é bom lembrar que a reforma agrária não estava na agenda mundial há muitos anos e voltou à pauta devido ao interesse do Brasil", salientou.

Além da declaração final, o encontro produziu vários termos de cooperação entre os países participantes. Mais de 15 acordos foram assinados. Com a FAO, o MDA fechou acordo para realização de cursos de capacitação destinados à técnicos agrícolas, com aporte de US$ 230 mil. A FAO e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa acertaram parceria para programa de capacitação em gestão da terra, com investimento de US$ 270 mil. O Brasil também assinou acordos com os governos do Paraguai, de Benin e com a FAO para estimular o desenvolvimento rural, principalmente por meio de atividades de pesquisa e capacitação.

Também foram feitas parcerias entre o Governo Federal e entidades brasileiras, como o protocolo de intenções firmado entre o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e o Centro de Educação Popular e Pesquisa em Agroecologia (Ceppa) para beneficiar agricultores familiares e assentados.


Texto publicado em Carta Maior - siga o link

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET