HISTORIANET

Notícias

Transnacionais da educação

"Transnacionais da educação" preocupam estudantes da AL

Verena Glass 01/03/2005

São Paulo – Cerca de quatro mil lideranças estudantis da América Latina e do Caribe estão reunidas em São Paulo desde o último sábado (26) para definir estratégias e linhas políticas da Organização Continental Latino-americana e Caribenha de Estudantes (Oclae), entidade que reúne 36 organizações estudantis de 24 países da região.
Segundo o secretário-geral da organização, Rubens Diniz, estudante de psicologia da Universidade de Havana (Cuba), uma das principais preocupações do movimento estudantil latino-americano é a crescente ofensiva de instituições de ensino de grande porte dos EUA, que buscam incluir a Educação nas negociações sobre serviços da Organização Mundial do Comércio (OMC). Essa estratégia, explica Diniz, visaria retirar a matéria do âmbito das políticas públicas e incluí-la num mercado transnacional de serviços já em expansão.
Um dos sintomas mais inquietantes desse fato, segundo os movimentos estudantis, são experiências de renomadas instituições americanas - como as universidades de Harvard e Fênix, por exemplo -, de criar “franquias” no sistema de educação à distância em países da América Latina.
“Dentro do que consideramos o franquiamento de ‘marcas de ensino’, um exemplo é a Universidade de Fênix, que abriu cursos de educação à distância no México, e agora quer que o governo ou retire os aportes às universidades públicas mexicanas, ou destine os mesmos recursos para a sua unidade virtual. Não que não reconhecemos a importância da educação à distância, mas hoje cerca de 17% das matrículas do ensino superior no país são neste sistema. Outro dado importante é que, no mundo, 98% da educação à distância é em idioma inglês, e 94% provêm de instituições dos EUA. É o que chamamos de ‘transnacionaliszação’ da Educação, a transformação da matéria em empreendimentos comerciais transnacionais”, afirma o secretário da Oclae.
Para resolver o problema do reconhecimento deste tipo de instituição de ensino nos países, está havendo uma pressão da OMC sobre a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) para que reconheça a Educação como um bem global, aponta Diniz. “A Educação como bem global significa seu desvinculamento dos Estados Nacionais. A Proposta da OMC é que a Unesco funcione como um grande centro de registro e reconhecimento de cursos, que poderiam ser abertos livremente em qualquer lugar do mundo e obrigatoriamente reconhecidos pelos governos domésticos. Isso é uma questão”.
Neste contexto, a principal preocupação dos estudantes é, além da falta de possibilidade de controle da qualidade do ensino, a introdução de um padrão homogêneo de educação, desvinculado da realidade e da cultura locais e impregnada pela “ideologia” de suas matrizes.
“A luta contra a ‘transnacionalização’ do ensino e sua exclusão da pauta da OMC é uma bandeira que assumimos como movimento estudantil internacional. Pontualmente, já obtivemos vitórias junto à União Européia e o Brasil, que se comprometeram a retirar o assunto das negociações. Agora, devemos nos preparar para a próxima cúpula da OMC em Hong Kong, no final do ano, quando participaremos das mobilizações convocadas pela rede de Movimentos Sociais do Fórum Social Mundial”, afirma Diniz.
Integração contra a Alca Outra prioridade da Oclae deve ser a participação mais ativa nas articulações dos movimentos sociais contra a Área de Livre-comércio das Américas (Alca) e por uma integração social, cultural e política da região. O objetivo do movimento estudantil é, segundo Diniz, articular interações e projetos de cooperação regional através de um maior intercâmbio de estudantes (“nos moldes do que ocorre na Europa, por exemplo”), transferências de tecnologias entre os países e as universidades, cooperação científica, entre outros.
Neste sentido, a Oclae recebeu apoio de dois importantes membros do governo brasileiro – Tarso Genro, ministro da Educação, e Marco Aurélio Garcia, assessor especial da Presidência para Relações Exteriores. Com Garcia, os estudantes discutiram o papel do governo brasileiro em um projeto de integração da América Latina e do Caribe, a partir dos interesses comuns dos países e da expressão da vontade política do governo Lula em aprofundar os laços regionais. Já Tarso Genro comunicou que o presidente brasileiro se declarou favorável à idéia da criação de uma Universidade Latino-americana. “Este ainda não é um projeto concreto, é uma idéia embrionária, mas que conta com toda a simpatia do presidente e do ministro”, afirmou um assessor de Tarso.
Em termo mais práticos e imediatos, a partir este congresso a Oclae começará a articular entidades e organizações da região para participação e promoção do Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes, que deve ocorrer de 7 a 15 de agosto na Venezuela, e é promovido pela Federação Mundial de Juventudes Democráticas.
“A tradição de festivais mundiais da juventude vem desde a década de 1940 e sempre foi fortemente impregnada pela luta contra a guerra. Esta temática deve voltar muito forte no evento deste ano, que será um misto de Fórum Social Mundial da juventude e uma festa multicultural”, explica Diniz, para quem política e cultura são duas linguagens universais da juventude.

Agência Carta Maior

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET