HISTORIANET

Livros

O Brasil entre a América e a Europa

TÍTULO: O Brasil entre a América e a Europa.
AUTOR: Luís Cláudio Villafañe G. Santos
EDITORA: Unesp
PÁGINAS: 160

Obra que, sem dúvida, fornece elementos para a definição da identidade brasileira e exibe os precedentes da crítica agenda estratégica e comercial do Brasil contemporâneo com a América e a Europa. Aborda a política do Império brasileiro ante os sucessivos encontros interamericanos realizados no século XIX, desde o primeiro, no Panamá, em 1826, até o de Washington, em 1889/1890 (chamado de Primeira Conferência Internacional Americana, convocada pelos Estados Unidos, já sob a bandeira do pan-americanismo) - o único do qual o Brasil participou. A política externa do Império somente se consolida a partir de 1850, quando posições nos principais temas da agenda brasileira passam a ser definidas por políticas coerentes. Isolado nas Américas como único defensor do princípio monárquico, o Estado brasileiro sente-se desvinculado dos países vizinhos na construção de um discurso legitimador para a constituição do que acreditava ser um bastião da civilização européia no continente.

Os países americanos que surgiram a partir dos impérios coloniais europeus buscaram legitimar a sua situação política com base na idéia de ruptura com o universo ideológico do Antigo Regime. Isso significava adotar o republicanismo como forma de utilização da idéia de nação como fonte de legitimidade para o Estado. O Brasil, contudo, ao optar pela Monarquia, colocou-se na contramão desse movimento. Se, para os vizinhos americanos, o "outro" era a Europa e o Antigo Regime, para o Império, o "outro" era justamente o conjunto das repúblicas americanas. Assim, o Império construiu a sua auto-imagem a partir da superioridade da civilização que seu regime político representaria por estar próximo às monarquias européias. Curiosamente, mesmo escravista, atrasado e distante, o Império brasileiro via-se como distinto e melhor do que seus vizinhos, entendendo-os como anárquicos e instáveis. Levando em conta essas questões, este livro estuda temas como nacionalismo e interamericanismo, o Império e os congressos interamericanos e o Congresso de Washington. Aborda, assim, a política do Império brasileiro ante os sucessivos encontros interamericanos realizados no século XIX, desde o primeiro, no Panamá, em 1826, até o de Washington, em 1889/1890. Este último, chamado de Primeira Conferência Internacional Americana, convocada pelos Estados Unidos, já sob a bandeira do pan-americanismo, foi o único do qual o Brasil participou. Evidentemente, a análise da presença brasileira nesses eventos e da auto-imagem do Império em meio aos demais países das Américas, longe de se restringir a mero registro historiográfico, fornece elementos para a definição de nossa identidade e exibe os precedentes da crítica agenda estratégica e comercial do Brasil contemporâneo com a América e a Europa.

A partir do estudo da documentação da chancelaria brasileira e das fontes secundárias relevantes, este livro verifica a desconfiança e rejeição do Brasil Império contra a política do pan-americanismo, entendido como uma potencial frente comum oposta aos interesses brasileiros. O autor constata que a política externa do Império somente se consolida a partir de 1850, quando posições nos principais temas da agenda brasileira passam a ser definidas por políticas coerentes. Isolado nas Américas como único defensor do princípio monárquico, o Estado brasileiro sente-se desvinculado dos países vizinhos na construção de um discurso legitimador para a constituição do que acreditava ser um bastião da civilização européia no continente.

Sobre o autor

LUÍS CLÁUDIO VILLAFAÑE G. SANTOS é diplomata e graduou-se em Geografia, na Universidade de Brasília, e em Diplomacia no Instituto Rio Branco. Conta com curso de pós-graduação em Ciência Política na New York University, mestrado e doutorado em História pela Universidade de Brasília. É pesquisador associado ao Instituto Rio Branco.

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET