HISTORIANET

Vestibulares

UNESP de julho de 2003

Resolução do Curso Anglo de São Paulo

1) Na região onde atualmente se encontra o Líbano, instalou-se, no III milênio a.C., um povo semita, que passou a ocupar a estreita faixa de terra, com cerca de 200 quilômetros de comprimento, apertada entre o mar e as montanhas. Várias razões os levaram ao comércio marítimo, merecendo destaque sua proximidade geográfica com o Egito; a costa, que oferecia lugares para bons portos; e os cedros, principal riqueza, usados na construção de navios. O contido nesse parágrafo refere-se ao povo
A) fenício.
B) hebreu.
C) sumério.
D) hitita.
E) assírio.
Resposta: A
Resolução: O enunciado faz claras referências à civilização fenícia, que floresceu nas terras do atual Líbano, próximas ao Egito, e que se notabilizou pela engenhosidade na construção de navios e pela dedicação ao comércio marítimo.


2) Economia européia agrária e auto-suficiente, sociedade de ordens, fragmentação política e mentalidade com forte influência da religiosidade são características fundamentais do
A) anarquismo.
B) socialismo.
C) feudalismo.
D) comunismo.
E) capitalismo.
Resposta: C
Resolução:
Durante a Idade Média (séculos V a XV) vigorou na Europa o feudalismo, marcado pela fragmentação política e pela produção econômica em busca da auto-suficiência. Também foram características a sociedade estamental (privilegiando o direito de nascença) e a hegemonia ideológica da Igreja Católica.


3) Nascido na Itália, o Renascimento — movimento intelectual, científico, artístico e literário — espalhou-se pela Europa, mas de forma desigual.
Considere as seguintes afirmações a respeito desse movimento.
I. A arte renascentista tinha como característica principal a exploração dos motivos religiosos, recebendo, dessa maneira, o apoio do clero e dos mecenas.
II. O Renascimento foi um movimento que valorizou o antropocentrismo, o hedonismo, o racionalismo, o individualismo e o naturalismo.
III. No plano político, sua principal conseqüência foi contribuir para o advento do Absolutismo, ao laicizar a sociedade e revalorizar o Direito Romano.
IV. O combate central das idéias renascentistas residiu na defesa das concepções de mundo baseadas no teocentrismo e na escolástica, então emergentes.
V. A Itália acumulou maior quantidade de capital e alcançou desenvolvimento comercial e urbano invejável, gerando excedentes econômicos para se investir em obras de arte.
Está correto apenas o contido em:

A) I, II e III.
B) I, IV e V.
C) II, III e IV.
D) II, III e V.
E) III, IV e V.
Resposta: D
Resolução:
O Renascimento marcou, no plano cultural e artístico, a transição do feudalismo para o capitalismo. Foi um momento que assumiu uma postura crítica em relação ao dogmatismo religioso e ao teocentrismo que predominava na cultura. Essas duas características já bastam para invalidar as afirmações I e IV.


4) Com o crescimento colonial, o sentimento e a experiência de auto-suficiência foram-se avolumando e as divergências com as autoridades (…) eclodiram (…) evoluindo para verdadeiros movimentos de rebelião colonial. A luta (…) representa um marco fundamental no processo de formação da sociedade capitalista burguesa, assentada nos princípios liberais e individualistas do Iluminismo. (E. Nadai, J. Neves, História Geral — Moderna e Contemporânea.) O fragmento refere-se à
A) Revolução Russa.
B) Guerra do Vietnã.
C) Independência dos Estados Unidos.
D) Revolução Chinesa.
E) Unificação da Itália.
Resposta: C
Resolução:
O fragmento faz referência clara a um movimento de emancipação colonial fundado nos princípios liberais, só podendo se referir a libertação das 13 colônias inglesas na América em 1779. O movimento originou a criação dos Estados Unidos da América.


5) Dentre as condições determinantes da Revolução Industrial na Inglaterra, podem ser citadas:
A) a conquista de mercados internos futuros, a acumulação de capitais, a existência de mercados fornecedores de bens semi-duráveis e a transformação da estrutura agrária.
B) a conquista de mercados coloniais consumidores, a poupança forçada dos trabalhadores urbanos, a existência de mercados fornecedores de matérias-primas e a transformação da estrutura do setor terciário.
C) a conquista de mercados semi-internos, a acumulação de capitais, a existência de mercados fornecedores de manufaturados e a transformação da estrutura agrária.
D) a conquista de mercados coloniais consumidores, a poupança induzida dos trabalhadores rurais, a existência de mercados fornecedores de matérias-primas e a transformação da estrutura de serviços.
E) a conquista de mercados coloniais consumidores, a acumulação de capitais, a existência de mercados fornecedores de matérias-primas e a transformação da estrutura agrária.
Resposta: E
Resolução: A Inglaterra foi pioneira na Revolução Industrial, no século XVIII; o desenvolvimento de sua indústria possibilitou-lhe tornar-se a principal potência do mundo. A consolidação de seu poderio econômico foi assegurada por um conjunto de fatores, tais como os cercamentos (que alteraram a estrutura agrária e criaram um excedente de mão-de-obra), a acumulação de capitais e a exploração do mundo colonial, consumidor e fornecedor de matérias-primas.


6) Analise as afirmações sobre a Espanha no período Entre-Guerras.

I. A guerra civil durou poucos meses, com a vitória dos republicanos e o apoio maciço da Igreja às forças reformistas de esquerda.
II. Em 1923, o general Primo de Rivera, chefiando um diretório militar, tomou o poder, substituindo o governo constitucional e reconhecendo o Rei Afonso XIII.
III. A aliança de Francisco Franco com o presidente português Antônio de Oliveira Salazar garantiu uma transição democrática tranqüila na Península Ibérica, preservando as tradições econômicas e culturais da região.
IV. Em 1936, a Frente Popular, composta por partidos de esquerda das mai variadas tendências, venceu as eleições, iniciando um programa de reformas agrárias e de ataques à Igreja.
V. A Falange era o único partido fascista espanhol legalmente reconhecido durante a ditadura de Francisco Franco.
Estão corretas apenas as afirmativas:
A) I, II e III.
B) I, III e IV.
C) II, III e IV.
D) II, IV e V.
E) III, IV e V.
Resposta: D
Resolução:
As afirmações fazem referência a questões políticas relacionadas à Guerra Civil Espanhola (de 1936 a 1939). O prolongado e sangrento conflito, que contou inclusive com a interferência de potências estrangeiras, envolveu o governo republicano (com apoio de vários grupos de esquerda) e a oposição fascista (articulada em torno da chamada Falange). O resultado foi a vitória fascista e a instalação da ditadura de Francisco Franco.


7) A respeito da história política de Cuba, considere os itens seguintes.

I. No início da década de 1930, Fulgêncio Batista já havia se transformado em homem forte do regime, embora só tenha ocupado a presidência posteriormente (1940-1944 e 1952-1959).
II. A Organização dos Estados Americanos (OEA) decidiu, no início da década de 1960, implementar o bloqueio econômico e político a Cuba.
III. A União Soviética apoiou o regime de Castro apenas a partir dos anos 1990, quando as dificuldades econômicas cubanas tornaram-se mais agudas.
IV. No início da ascensão de Fidel Castro ao poder, tomaram-se medidas democráticas e nacionalizantes, tais como a reforma agrária radical e a expropriação de propriedades de norte-americanos e de cubanos dos ramos petrolífero, telefônico, açucareiro e de eletricidade.
V. Apesar das divergências econômicas existentes entre Cuba e Estados Unidos da América, observam-se convergências significativas no que se refere às relações políticas.
É correto apenas o contido em
A) I, II e III.
B) I, II e IV.
C) I, III e IV.
D) II, III e V.
E) II, IV e V.
Resposta: B
Resolução: Os itens abordam a conturbada história de Cuba no século XX, em que se destaca a instalação do regime socialista de Fidel Castro, depois de 1959. Esse regime contou com apoio soviético até a década de 1980; o desaparecimento da União Soviética em 1991 desencadeou aguda crise econômica no país. Além disso, o antagonismo econômico e político com os Estados Unidos foi intenso, com os dois países chegando à iminência da guerra em 1962 (Crise dos Mísseis).


8) O Brasil foi dividido em quinze quinhões, por uma série de linhas paralelas ao equador que iam do litoral ao meridiano de Tordesilhas, sendo os quinhões entregues (…) [a] um grupo diversificado, no qual havia gente da pequena nobreza, burocratas e comerciantes, tendo em comum suas ligações com a Coroa. (B. Fausto, História do Brasil.)
No texto, o historiador refere-se às
A) câmaras setoriais.
B) sesmarias.
C) colônias de povoamento.
D) capitanias hereditárias.
E) controladorias.
Resposta: D
Resolução:
Após trinta anos de uma postura de relativo pouco caso em relação à nova terra, a monarquia lusitana, por um conjunto de razões, começa a encará-la com outros olhos. No texto do enunciado, o autor refere-se à divisão do território brasileiro em capitanias hereditárias, em 1534, como medida de viabilização do projeto colonizador.


9) Leia os itens a respeito da Revolução Pernambucana de 1817.

I. Possuiu forte sentimento anti-lusitano, resultante do aumento dos impostos e dos grandes privilégios concedidos aos comerciantes portugueses.
II. Teve a participação apenas de sacerdotes e militares, não contando com o apoio de outros segmentos da população.
III. Foi uma revolta sangrenta que durou mais de dois meses e deixou profundas marcas no Nordeste, com os combates armados passando de Recife para o sertão, estendendo-se também a Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte.
IV. A revolta foi sufocada apenas dois anos depois por tropas aliadas, reunindo forças armadas portuguesas, francesas e inglesas.
V. Propunha a República, com a igualdade de direitos e a tolerância religiosa, mas não previa a abolição da escravidão.
É correto apenas o afirmado em
A) I, II e III. B) I, III e V. C) I, IV e V. D) II, III e IV. E) II, III e V.
Resposta:B
Resolução: A Revolução Pernambucana de 1817 fez parte da série de sedições pela Independência do Brasil que marcaram a passagem do século XVIII ao XIX. Defendeu a via republicana, mas não a abolição da escravatura, entre seus ideais, dada a composição
heterogênea de suas lideranças.Diversos setores da sociedade, incluindo religiosos, como Frei Caneca, militares, latifundiários e trabalhadores, foram por elas representados na mobilização, que teve forte teor anti-lusitano e foi violentamente sufocada pelo governo em poucos meses.


10) Os dois grandes partidos imperiais (…) completaram sua formação (…) como agremiações políticas opostas. Mas havia mesmo diferenças ideológicas ou sociais entre eles? Não passariam no fundo de grupos quase idênticos, separados apenas por rivalidades pessoais? Muitos contemporâneos afirmam isso. Ficou célebre uma frase atribuída ao político pernambucano Holanda Cavalcanti: ‘Nada se assemelha mais a um saquarema do que um luzia no poder’. (B. Fausto, História do Brasil.)
A transcrição refere-se aos partidos:

A) Radical e Justicialista, que formaram a estrutura bipartidária vigente na Regência.
B) Republicano e Democrático, que deram o tom político ao longo do Primeiro Reinado.
C) Progressista e Ruralista, que se constituíram nas duas forças políticas em ação no Segundo Reinado.
D) Trabalhista e Positivista, que moldaram a vida política no Antigo Regime.
E) Conservador e Liberal, que dominaram a cena política até a proclamação da República.
Resposta: E
Resolução:
Os partidos Liberal e Conservador, que dominaram a cena política durante o Segundo Reinado, representavam o mesmo grupo socioeconômico: a elite latifundiária e escravocrata. É natural, portanto, que as diferenças sociais e ideológicas entre
eles fossem mínimas.


11) A batalha da abolição, como perceberam alguns abolicionistas, era uma batalha nacional. Esta batalha continua hoje e é tarefa da nação.
(J. M. Carvalho, A abolição aboliu o quê? Folha de S. Paulo, 13.05.1988.)
No texto, o historiador José Murilo de Carvalho refere-se à
A) luta dos quilombolas para se inserirem em melhores condições sociais no interior da sociedade pós-escravista.
B) estratégia dos negros alforriados do sul do país para se inserirem na sociedade estratificada dos brancos.
C) não obtenção da cidadania plena, até os dias atuais, por parte dos negros brasileiros, que são as vítimas mais diretas da escravidão.
D) tática dos negros oriundos do norte para se inserirem na sociedade do sul do país.
E) não obtenção dos direitos de circulação, por parte da elite abolicionista, que foi o contingente mais afetado pelo trabalho compulsório.
Resposta: C
Resolução: No primeiro centenário da Lei Áurea de 13 de maio de 1888, o historiador faz um balanço apontando os prejuízos dos 300 anos de escravidão: embora abolida, ela não resgatou a plenitude da cidadania para o liberto, que ainda hoje carrega o peso da discriminação social e do preconceito.


12) Em 1939, o Estado Novo constitui um verdadeiro ministério, diretamente subordinado ao presidente da República (…). [Tal órgão] (…) exerceu funções bastante extensas, incluindo cinema, rádio, teatro, imprensa, literatura e política, além de proibir a entrada no país de ‘publicações nocivas aos interesses brasileiros’; agiu junto à imprensa estrangeira no sentido de se evitar que fossem divulgadas ‘informações nocivas ao crédito e à cultura do país’; dirigiu a transmissão diária do programa radiofônico ‘Hora do Brasil’ (…).
(B. Fausto, História do Brasil.)
Trata-se do:
A) Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP).
B) Instituto Nacional de Comunicação Social (INCS).
C) Conselho Nacional de Educação e Cultura (CNEC).
D) Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP).
E) Conselho Federal de Administração e Cultura (CFAC).
Resposta: A
Resolução: A ditadura do Estado Novo, que manteve Getúlio Vargas no poder entre 1937 e 1945, teve entre os símbolos do autoritarismo populista o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), dirigido com mão de ferro por Lourival Fontes. O DIP foi responsável pelo controle rígido dos meios de comunicação, censurando quaisquer manifestações consideradas inconvenientes ao regime e coordenando a propaganda oficial dos projetos nacionalistas do governo, além de exaltar a imagem do ditador Vargas, erigido em "Pai dos Pobres" e "Grande Chefe" da Nação.


PROVA DISCURSIVA


1) O palácio real constitui naturalmente, na vida da cidade mesopotâmica, um mundo à parte. Todo um grupo social o habita e dele depende, ligado ao soberano por laços que não são somente os de parente a chefe de família, ou de servidor a senhor. (…) Este grupo social é numeroso, de composição muito variada, abrangendo trabalhadores de todas as profissões, domésticos, escribas, artesãos, homens de negócios, agricultores, pastores, guardiões dos armazéns, etc., colocados sob a direção de um intendente. É que a existência de um domínio real, dotado de bens múltiplos e dispersos, faz do palácio uma espécie de vasta empresa econômica, cujos benefícios contribuem para fundamentar solidamente a força material do soberano.
(Aymard/Auboyer, O Oriente e a Grécia — As civilizações imperiais.)
a) Como se organizava a vida social e política na Mesopotâmia?
b) Um dos grandes legados da Mesopotâmia foi a criação do Código de Hamurabi. Quais os principais aspectos desse Código?

Resolução:
a) A organização política predominante na Mesopotâmia foi a cidade-Estado, onde o monarca, seus altos funcionários e a classe sacerdotal compunham a aristocracia, enquanto comerciantes e artesãos vinculavam-se à camada intermediária dos homens livres. Escravos obtidos por meio de guerra ou comércio e, principalmente, servos vínculados às terras estatais constituíam a base da pirâmide social.
O poder despótico do soberano, detentor das terras e dos homens nela estabelecidos, era freqüentemente justificado pelo caráter divino do governo ("teocracia"). Esse conjunto — configurado pelo poder autocrático, a posse estatal da terra, a economia agrícola e a servidão coletiva — caracteriza a estrutura econômica conhecida como "modo de produção asiático".
b) Criado por volta de 1800 a.C., como forma de consolidar o recém-estruturado império amorita sediado na cidade da Babilônia, o código de Hamurábi foi o primeiro código de leis escritas. Sua função era estruturar o poder despótico do estado e consolidar a autoridade da aristocracia.
Seus princípios foram inspirados na Lei do Talião, que determinava que a pena deveria ser correspondente ao crime ("olho por olho, dente por dente")


2) Desde o final do Império Romano até o início da Idade Moderna, pode-se dizer que o continente europeu viveu sob o feudalismo ou regime feudal.
a) Qual era a base de exploração de mão-de-obra durante o regime feudal?
b) Do ponto de vista econômico e político, como se caracterizava o feudalismo?

Resolução:
a) A relação de exploração da mão-de-obra durante o feudalismo caracterizou-se pela servidão. Nessa forma de trabalho,
os camponeses, em troca de proteção, estavam submetidos a pagar impostos e prestar serviços.
b) Do ponto de vista econômico, o feudalismo caracterizou-se pela retração do comércio e pela produção de subsistência, essencialmente agrícola. Politicamente, o sistema era fragmentado, dividido em feudos, controlados por nobres.A Igreja era então uma instituição poderosa, tanto por mediar as relações entre nobres como por ser proprietária de terras.


3) Não há a menor dúvida de que as guerras cada vez mais dispendiosas contribuíram para o desenvolvimento do mercantilismo. Com a ampliação da artilharia, dos arsenais, das marinhas de guerra, dos exércitos permanentes e das fortificações, as despesas dos Estados modernos dão um salto. Guerras pressupõem dinheiro e mais dinheiro, e assim a posse de dinheiro, a acumulação de metais nobres, torna-se uma mania e domina, como última conclusão de toda sabedoria, o pensamento e o juízo. (F. Braudel, citado em R. Kurz, O colapso da modernização.)
A política econômica predominante na época do Absolutismo ficou conhecida com o nome de mercantilismo, cujo maior expoente foi Colbert, ministro de Luís XIV, rei da França.
a) Além da política econômica que era estimulada por guerras, como demonstra o texto de Fernand Braudel, quais as características
principais da economia mercantilista?
.b) Em oposição às teorias mercantilistas, surgiram as teorias dos Fisiocratas e dos Liberais. Explique as idéias principais
de cada uma dessas teorias econômicas.

Resolução:
a) O mercantilismo — política econômica dos Estados absolutistas europeus da Era Moderna — caracterizou-se pelo esforço do Estado-nação em acumular metais preciosos via comércio e através de taxas alfandegárias protecionistas, que estimulassem as exportações e inibissem as importações; caracterizou-se ainda pela instauração de colônias de exploração fora da Europa, reguladas pelo regime de monopólio.
b) Oriunda da tradição iluminista, a escola de pensamento econômico fisiocrata — que teve em Quesnay, Gournay e Turgot seus principais representantes — criticou o mercantilismo e pregou a adoção de uma "economia natural" — ou seja, que a atividade econômica se desvinculasse do controle estatal e que tivesse ênfase a agricultura. Na mesma tradição ilustrada, o liberalismo clássico, inaugurado por Adam Smith, condenava igualmente a intervenção estatal na economia; defendia a liberdade econômica, com ênfase na racionalização da produção (Divisão do trabalho) e no livre comércio.


4) (…)
Considerando que para os senhores não é possível
Nos pagarem um salário justo
Tomaremos nós mesmos as fábricas
Considerando que sem os senhores, tudo será melhor para nós.
Considerando que os senhores nos ameaçam
Com fuzis e canhões
Nós decidimos: de agora em diante
Temeremos mais a miséria que a morte.
Considerando que o que o governo nos promete sempre
Está muito longe de nos inspirar confiança
Nós decidimos tomar o poder
Para podermos levar uma vida melhor.
Considerando: vocês escutam os canhões
Outra linguagem não conseguem compreender
Deveremos então, sim, isso valerá a pena
Apontar os canhões contra os senhores!
(Bertolt Brecht, Os dias da Comuna.)

a) Esse poema de Brecht refere-se à chamada Comuna de Paris, de 1871. Como pode ser definida a inspiração política dos revolucionários de 1871?
b) Quais as principais medidas políticas e sociais tomadas pelos participantes da Comuna de Paris durante os cerca de três meses em que ela existiu?

Resolução:
a) A Comuna de Paris foi inspirada na propaganda socialista, associada à I Internacional, destacando-se o anarquismo e o marxismo.
b) Entre as medidas, podemos destacar:
• a socialização das empresas;
• eleições para os cargos públicos;
• extinção do exército nacional e da polícia;
• separação entre Igreja e Estado;
• igualdade entre homens e mulheres;
• criação de milícias populares.
Comentário:
O enunciado do item "a", ao usar o singular na pergunta ("A inspiração política dos revolucionários) parece descartar o variado leque de influências da Comuna.



5) Sem a possibilidade que lhe foi dada de empregar homens de nível inferior, o Ariano nunca teria podido dar os primeiros passos na estrada que devia conduzi-lo à civilização; da mesma maneira que, sem a ajuda de certos animais que possuíam as qualidades necessárias, as quais soube domesticar, ele nunca se teria tornado senhor de uma técnica que lhe permite atualmente prescindir, pouco a pouco, da ajuda desses animais. O provérbio ‘o Mouro fez o que devia fazer, o Mouro pode ir-se embora’ tem, infelizmente, um significado por demais profundo.
(A. Hitler, Mein Kampf (Minha Luta).)
.Este texto, escrito por Adolf Hitler, explica parte de suas teorias racistas que eram também a base do regime nazista.
a) Quais as principais idéias da ideologia racista de Hitler e dos nazistas?
b) Como se pode relacionar o racismo nazista com a "teoria do espaço vital", ou seja, com o projeto de ampliação territorial e política?
Resolução:
a) A ideologia racista alemã, à época do nazismo, baseava-se na crença em um verdadeira hierarquia racial: no topo estariam os alemães, de raça "ariana", considerados os Übermensch ("super-homens"); na base, o povo judaico, cuja única função possível seria a escravidão. A ideologia nazista pregava ainda a necessidade de purificação racial o que levou a uma política de eugenia, que incluía: proibição de casamentos entre raças, assassinato de crianças deficientes e extermínio puro e simples de grupos considerados indesejados ou "impuros".
b) Uma vez que a raça "ariana" era considerada superior e destinada a ser soberana no planeta, fazia-se necessária a ocupação de um espaço territorial adequado a essa grandeza. Tal espaço (o Lebensraum, "espaço vital") deveria incluir não apenas fronteiras ampliadas para a Alemanha na Europa Central mas também no futuro do "Reich de mil anos", mas também os territórios da Europa do Leste, principalmente a Rússia.
Observa-se que o discurso racista justificava a adoção de uma política expansionista e militarista por parte do Estado Alemão.
6) A belle époque do começo do século XX acabou num período de caos sistêmico (1914-48), caracterizado por guerras, revoluções e pela crise profunda dos processos globais de acumulação de capital. É bem possível que a belle époque do final do século XX esteja para desembocar num período caótico, em muitos aspectos análogo (mas em outros aspectos bem diferente) ao período 1914-48. Se for o caso, o colapso do comunismo na Europa oriental será visto retrospectivamente como o final, não como o começo, de uma era de prosperidade e segurança para o Ocidente. O fato de o colapso do comunismo ter sido seguido imediatamente pela crise Iraque e Kuwait e a primeira recessão séria da economia americana desde 1982 sugerem que isso pode estar acontecendo.
(G. Arrighi, A desigualdade mundial na distribuição de renda e o futuro do socialismo.)
a) Que nome recebeu a guerra que teve início com a crise entre Iraque e Kuwait a que se refere o autor do texto?
b) Nas duas últimas décadas do século XX, imperou em muitos países do mundo um sistema político e econômico que ficou conhecido como neoliberalismo. Quais os princípios desse sistema?
Resolução:
a) Guerra do Golfo (1990-1991).
b) Entre os princípios fundamentais do neoliberalismo destacam-se:
• a economia de livre mercado, com privatização de estatais, intercâmbio tecnológico, financeiro e industrial das grandes metrópoles com as áreas periféricas, para viabilizar o projeto globalizante do capitalismo;
• eliminação da política do bem-estar social, por meio de amplas reformas especialmente no setor previdenciário, com o objetivo de desonerar o Estado;
• estabilidade monetária, para permitir o fluxo comercial internacional por meio de rigorosas medidas tributárias e financeiras.


7) Durante os últimos anos do século XVIII, o Brasil colonial foi abalado por diversas revoltas e insurreições em Minas Gerais, no Rio de Janeiro e na Bahia. Essas revoltas e rebeliões se caracterizaram como questionadoras da ordem colonial em seus aspectos políticos, sociais e econômicos.
a) Como ficaram conhecidas as revoltas ocorridas no final do século XVIII em Minas Gerais, no Rio de Janeiro e na Bahia?
b) Quais foram as duas grandes influências políticas e intelectuais dos revoltosos desse período?
Resolução:
a) Os movimentos a que se refere a questão são a Inconfidência Mineira, a Inconfidência Fluminense e a Inconfidência Baiana. Genericamente, esses movimentos são conhecidos como revoltas emancipacionistas ou de pré-independência, para distinguir-se das rebeliões nativistas, ocorridas no século XVII e início do século XVIII.
b) A grande influência intelectual dessas revoltas foi o Iluminismo. Já em termos políticos, os movimentos mineiro e fluminense foram influenciados principalmente pela independência dos Estados Unidos, enquanto que os rebeldes baianos sofreram mais a influência da Revolução Francesa e do processo de independência do Haiti.
.
Questão 6
.ão 7
8) Entre 1864 e 1870, a chamada Tríplice Aliança enfrentou o Paraguai em um conflito que ficou conhecido como Grande Guerra ou Guerra do Paraguai.
a) Quais os países que formavam a Tríplice Aliança?
b) Como se deu o início do conflito entre o Brasil e o Paraguai?

Resolução:
a) A Tríplice Aliança era formada por Brasil, Argentina e Uruguai.
b) Ainda que os motivos que explicam a guerra estejam vinculados aos diferentes interesses dos países da Bacia do Prata, o conflito começou quando o Paraguai apreendeu o navio brasileiro Marquês de Olinda, em novembro de 1864, que se dirigia para o Mato Grosso. Posteriormente, em dezembro, essa província foi invadida pelas tropas paraguaias, dando início às operações militares.
Comentário:
Vale a pena resaltar que o ataque paraguaio ao Brasil pode ser considerado uma retaliação, pois o governo imperial interviera na guerra contra o presidente uruguaio Aguirre, político apoiado pelo governo do Paraguai.

9) Em 1871, porém, a Nação Brasileira deu o primeiro aviso à escravidão de que a consciência a vexava, e ela estava ansiosa por liquidar esse triste passado e começar vida nova. Pode alguém que tenha adquirido escravos depois desta data queixar-se de não ter sido informado de que a reação de brio e do pudor começava a tingir a face da Nação? O preço dos escravos subiu depois da lei (…).
(J. Nabuco, O abolicionismo.)
a) Qual a lei que restringiu a instituição da escravidão no Brasil a que se refere Nabuco?
b) Explique o conteúdo dessa lei e por que o autor afirma que, após sua promulgação, "o preço dos escravos subiu".
Resolução:
a) Joaquim Nabuco se refere à Lei Visconde do Rio Branco, popularmente conhecida como Lei do Ventre Livre.
b) A lei, entre várias outras proposições, determinava que seria livre todo filho de escrava nascido a partir da data de sua promulgação. Determinava também que a criança, até os oito anos, deveria ficar sob os cuidados do proprietário de sua mãe, o qual então optaria por receber uma indenização paga pelo Estado ou utilizar o trabalho da criança até os 21 anos, como ressarcimento pelo que ela lhe custara nos primeiros anos de vida. A libertação dos filhos das escravas fez com que os senhores perdessem uma fonte importante de reposição de mão-de-obra, o que ocasionou uma alta no preço dos escravos.


10) O Governo de Juscelino Kubitschek sintetizou seu projeto desenvolvimentista num conjunto de projetos que ficou conhecido como "Plano de Metas", que definia as prioridades de governo e os estágios de atraso social e econômico que deveriam ser superados pela nova política, sobretudo a partir da estratégia econômica da substituição de importações.
a) Quais os principais eixos econômicos e sociais do Plano de Metas?
b) Juscelino Kubitschek ficou conhecido como o "Presidente Bossa Nova". O que era a Bossa Nova e como ela pode ser relacionada com o período juscelinista?

Resolução:
a) O Plano de Metas executado pelo governo JK foi um ambicioso plano de desenvolvimento nacional dirigido pelo Estado. Foram selecionadas 30 prioridades, que foram agrupadas em 5 setores fundamentais: Alimentação, Educação, Indústria, Transporte e Energia. Os dois primeiros setores envolvem preocupação social; os outros atendiam a objetivos econômicos.
b) A Bossa Nova foi um movimento musical inaugurado por João Gilberto e que teve em Tom Jobim um de seus maiores compositores. Expressava o clima alegre, otimista e confiante no futuro gerado pela política desenvolvimentista de Juscelino e teve rápida aceitação por parte de vários setores da classe média, que naquele momento, estava em expansão, devido ao acelerado crescimento industrial.
Questão 8

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET