HISTORIANET

Vestibulares

PUC Minas - - - Julho de 2003

PUC Minas - - - Julho de 2003

Correção e links do HISTORIANET

1) Nas Monarquias Absolutas, com raras exceções, ocorrem os seguintes fenômenos, EXCETO:
a) aparato administrativo que faz cumprir as determinações do poder real.
b) mercantilização crescente da vida econômica.
c) exércitos a serviço do poder real e dependentes dele.
d) criação de barreiras jurídicas para atender as especificidades locais.
Resposta: D
Resolução: As leis tendem a ser centralizadas, de acordo com os interesses predominantes na política real absolutista.


Q U E ST
2) O Mercantilismo é uma prática econômica que se caracteriza por, EXCETO:
a) exercício do protecionismo alfandegário às manufaturas existentes.
b) esforços para favorecer o desenvolvimento da marinha mercante.
c) negligência no controle da qualidade do produto, diminuindo os custos.
d) estímulo à obtenção de uma balança comercial favorável.
Resposta: C
Resolução: Mercantilismo é a política econômica do capitalismo comercial, praticada pelo Estado absolutista, caracterizada pelo intervencionismo, protecionismo e balança comercial favorável.


Q U E STÃO 2 3
3) O chamado socialismo científico, formulado por Marx e Engels no século XIX, propunha:
a) a superação do capitalismo pela ação revolucionária dos trabalhadores, aglutinados em torno da Internacional Socialista.
b) a redução do papel do Estado na economia para efetivar o controle direto pelo proletariado sobre os meios de produção.
c) a supressão de toda legislação trabalhista e social, tida como mecanismo de alienação e cooptação do proletariado.
d) a realização de sucessivas reformas na estrutura capitalista, possibilitando a gradativa implantação do comunismo avançado.
Resposta: A
Resolução: A teoria marxista defende a revolução proletária para eliminar a propriedade e a desigualdade. O proletariado deveria se aglutinar em um partido político revolucionário -que Marx chamou de comunista -; A Internacional Socialista surgiu praticamente 20 anos após o Manifesto Comunista e deveria coordenar os diversos partidos que existiam ou existiriam no mundo.





4) São características da Hispano-América Colonial até meados do século XVI, EXCETO:
a) a ação da Coroa como instituição diretamente responsável pela exploração dos índios.
b) a submissão dos índios à prática das encomiendas pelos hispânicos.
c) a conquista e dominação dos índios da Confederação Asteca e das cidades maias.
d) a pilhagem e o saque dos tesouros das Altas Culturas -- astecas, maias e incas.
Resposta: C
Resolução: A Coroa Espanhola sempre foi responsável pela exploração dos indígenas, tanto diretamente nas minas, como indiretamente, fornecendo as concessões para os "encomienderos". A Civilização Maia havia desaparecido antes da chegada dos espanhóis.

5) As guerras napoleônicas de fins do século XVIII e princípios do século XIX provocaram um grande impacto na América Ibérica porque, EXCETO:
a) a França napoleônica passou a exercer um controle direto sobre quase toda a Península Ibérica.
b) o comércio britânico com muitas regiões da América Ibérica veio a se expandir e, mais tarde, a se consolidar.
c) a transferência da Corte Joanina e de seu governo para o Brasil criou o cenário no qual emergiu a independência.
d) as lideranças nativas vão assumir o mando político em virtude da situação observada em Portugal e Espanha.
Resposta: D
Resolução: Se a independência da América Espanhola está diretamente vinculada a expansão napoleônica e à invasão da Espanha, no Brasil a relação é indireta, pois o movimento de independência, conduzido pelas elites está vinculado ao retrocesso representado pelas Cortes Constituintes de Portugal.


6) O Projeto da Aliança para o Progresso apresentado pelo Presidente Kennedy, durante a Conferência Econômica e Social de Punta Del Este, no Uruguai, em agosto de 1961, propunha, EXCETO:
a) aperfeiçoar e fortalecer as instituições democráticas.
b) acelerar o desenvolvimento econômico e social.
c) promover programas de reforma agrária.
d) estimular a luta acirrada para derrubar os governos socialistas dos países latino-americanos.
Resposta: D
Resolução: naquele momento havia apenas um governo socialista na América, em Cuba. Coube aos EUA uma ação unilateral na tentativa de invasão à Ilha, que não está relacionada diretamente a Aliança para o Progresso.





7) Na América Latina, a identidade ainda é questão aberta, na qual são problemas ainda pendentes, EXCETO:
a) a dependência das relações materiais de poder entre o europeu e o não-europeu, principalmente o indígena.
b) a influência do eurocentrismo na perspectiva mental de nossa sociedade, notadamente das elites.
c) a aceitação pela maioria da população dos países do sub-continente de certos traços da cultura norte-americana, conhecida como american way of life.
d) a visão evolucionista na qual o europeu é o civilizado, o moderno, e o latino-americano o primitivo, o atrasado.
Resposta: D
Resolução: Apesar da formação cultural marcada pelo eurocentrismo, hoje a maior influência provem da mentalidade norte-americana. Se uma parcela da sociedade latina considera alguém superior e o toma como modelo, é o estadunidense.


8) Leia atentamente a afirmativa abaixo, escrita por Diogo de Campos Moreno, em 1612:
"Os índios da terra, que parecem de maior facilidade, menos custo e maior número, como andam metidos com os religiosos aos quais vivem sujeitos [...] de maravilha fazem serviço, nem dão ajuda aos leigos, que seja de substância [...]."
(Diogo de Campos Moreno. Livro que dá razão do Estado do Brasil (1612) APUD: INÁCIO, Inês da C. e DE LUCA, Tânia R. Documentos do Brasil Colonial. São Paulo: Ática,1993.p.63)
Referente ao período colonial no Brasil, a afirmação revela, EXCETO:
a) a preguiça dos índios aculturados na realização dos trabalhos coloniais.
b) o processo de catequização e a submissão dos índios aos missionários.
c) a utilização da força de trabalho indígena pelo clero e pelos coloniais.
d) a abundância e o menor ônus do uso do trabalho dos índios nas atividades da colônia.
Resposta: C
Resolução: O autor lamenta o fato de o indígena estar subordinado aos missionários, situação que não permite o uso de seu trabalho por outros, os "leigos".


Para responder às questões 9 e 10, leia com atenção a citação abaixo do jesuíta
André antonil, escrita por volta dos anos 1710.
"A sede insaciável do ouro estimulou a tantos a deixarem suas terras e a meterem-se por caminhos tão ásperos como são os das minas, que dificultosamente se poderá dar conta do número das pessoas que atualmente lá estão. Contudo, os que assistem nelas nestes últimos anos por largo tempo, e as correram todas, dizem que mais de trinta mil almas se ocupam, umas em catar, e outras em mandar catar nos ribeiros do ouro, e outras em negociar, vendendo e comprando o que se há mister não só para a vida, mas para o regalo, mais que nos portos do mar."
(André João Antonil. Cultura e opulência do Brasil (1711) APUD: INÁCIO, Inês da C. e DE LUCA, Tânia R. Documentos
do Brasil Colonial. São Paulo: Ática, 1993.p.124)
Q U E STÃO 3 1
9) A situação histórica descrita evidencia:
a) a repartição equilibrada dos terrenos auríferos pelos coloniais.
b) a corrida do ouro e as esperanças de enriquecimento fácil.
c) a condição de igualdade entre senhores e escravos na busca do ouro.
d) a mineração como única atividade econômica da região.
Resposta: B
Resolução: na região mineradora se desenvolveram atividades paralelas a extração, permitindo inclusive que muitos mercadores enriquecessem. É certo que os homens livres que se deslocaram para a região sonhavam com a riqueza fácil.


10) O relato de Antonil informa ainda que a atividade mineradora:
a) foi uma aventura capaz de enriquecer todos que se dedicavam a ela.
b) impulsionou o comércio e o rápido povoamento da região das Minas.
c) desestimulou os aventureiros devido às dificuldades dos caminhos.
d) promoveu uma sociedade muito democrática.
Resposta: B
Resolução: A mineração foi responsável por importantes mudanças na colônia, promovendo o povoamento do interior, com diversas atividades complementares, como o comércio, normalmente nas mãos de portugueses.


11) A situação dos mulatos em Minas Gerais, no século XVIII, tem relação com:
a) a estrutura social e demográfica que se apoiava firmemente sobre a base da escravidão africana.
b) o desejo de homens, na ausência de herdeiros legítimos, de libertar seus filhos de mãe escrava.
c) o respeito às leis e o cuidado de não cometer erros graves que colocassem em risco seus direitos.
d) os esforços para restringir as alforrias e para proibir que mulatos herdassem propriedades.
Resposta: D
Resolução: o mulato, filho de homem branco, não tinha o reconhecimento da paternidade e, apesar de muitas vezes livre, era atingido pelo preconceito e pela falta de direitos, garantindo o direito de herança apenas a filhos "legítimos".
Q U E STÃO 3 4
12) A transferência da Corte Portuguesa para o Brasil, em 1808, encontra-se associada, EXCETO:
a) à submissão lusitana em relação aos interesses ingleses.
b) à expansão napoleônica no continente europeu.
c) à necessidade de recrudescimento do pacto colonial.
d) à busca de segurança para o trono português.
Resposta: C
Resolução: A transferência da Corte no final de 1807 esta relacionada ao bloqueio Continental imposto por Napoleão Bonaparte à Inglaterra e a situação de submissão de Portugal a economia britânica. A transferência foi responsável pela adoção de uma política que iniciou o rompimento do Pacto Colonial.


13) O período regencial no Brasil (1830-1840) foi um dos mais agitados da história política do país. Foram questões centrais do debate político que marcaram esse período, EXCETO:
a) a questão do grau de autonomia das províncias.
b) a preocupação com a unidade territorial brasileira.
c) os temas da centralização e descentralização do poder.
d) o acirramento das discussões sobre o processo abolicionista.
Resposta: D
Resolução: A "questão abolicionista" tornou-se importante após a Guerra do Paraguai. Isso não significa que não existisse anteriormente. Os livros didáticos apresentam antes da guerra a "questão do tráfico" como central, e não a da abolição.


14) No Segundo Reinado (1840-1889), os políticos conservadores e liberais caracterizavam-se por:
a) representarem os senhores de escravos e proprietários de terras.
b) apoiarem o término da escravidão e a proclamação da República.
c) serem republicanos e oposicionistas ao imperador D. Pedro II.
d) defenderem os interesses populares e contrários à Monarquia.
Resposta: A
Resolução: "Eram farinha do mesmo saco". As principais divergências dos dois partidos estavam relacionadas a politica administrativa, no que toca a maior ou menor centralização do poder.
Q U
E S T Ã O 3 7
15) Segundo a historiadora Emília Viotti da Costa,
"A abolição não correspondeu nem aos receios dos escravistas, nem às expectativas dos abolicionistas. Não foi catástrofe nem redenção".
(COSTA, Emília V. A abolição. São Paulo: Global, 1982. p.96).
Todas as opções abaixo expressam as idéias dessa afirmativa, EXCETO:
a) Não houve a implantação de uma política de integração do negro na sociedade.
b) O fim da escravidão originou revoltas, abalando a estrutura social.
c) A produção agrária brasileira não foi arruinada após 13 de maio de 1888.
d) O ex-escravo continuou marginalizado social e politicamente.
Resposta: B
Resolução: O pequeno número de escravos, não mais trabalhando nas áreas decisivas da economia, contribuíram para tal situação.

Q U E STÃO 3 8
16) Dentre outros fatores, assinale a opção que explica o processo imigrantista no Brasil (séc. XIX).
a) a abundância de ex-escravos no território brasileiro que, tornando-se vadios, recusavam-se a trabalhar.
b) o fim do tráfico negreiro levando à necessidade de buscar outras fontes de mão-de-obra fora da África.
c) a escassez de mão-de-obra escrava no continente africano, fonte sustentadora da escravidão brasileira.
d) a existência de uma política de imigração, permitindo ao imigrante tornar-se grande proprietário de terras.
Resposta: B
Resolução: O fim do tráfico ocorreu em um momento de expansão da lavoura cafeeira e portanto de necessidade de mão-de-obra, ao mesmo tempo em que foi aprovada a Lei de Terras, dificultando o acesso à terra ao homem livre.


17) O Populismo no Brasil, iniciado após a Revolução de 1930, termina com:
a) a promulgação da Constituição Federal em 1946.
b) o suicídio de Getúlio Vargas em 1954.
c) a renúncia de Jânio Quadros em 1961.
d) o movimento civil-militar em 1964.
Resposta: D
Resolução: O golpe militar de 64 derrubou João Goulart, que teve sua trajetória política apoiada no populismo varguista.


18) Podem ser apontadas como características do período da ditadura militar no Brasil (1964-1974), EXCETO:
a) a implantação da ideologia do combate ao "inimigo interno".
b) a decretação de Atos Institucionais que visavam garantir o "status quo".
c) a melhoria de vida da população com o plano econômico "milagre brasileiro".
d) a construção de obras monumentais, como a Transamazônica e a ponte Rio-Niterói.
Resposta: B
Resolução: Os Atos Institucionais são considerados como medida de exceção, responsáveis pela quebra da legalidade jurídica.

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET