HISTORIANET

Notícias

Hinduísmo

SENHORES DO UNIVERSO


Os hindus atribuem o ritmo do cosmo a um eterno ciclo de criação, preservação e destruição. Simbolizando cada uma das etapas estão seus deuses supremos, Brahma, Vishnu e Shiva. Essa trindade, chamada Trimurti, representa duas forças antagônicas e uma harmonizadora. Enquanto dois deles figuram pólos opostos -- Vishnu, a luz e a vida, e Shiva, as trevas e a aniquilação --, Brahma aparece como o equilíbrio e a união desses contrários. "É um ciclo constante e infinito: Brahma cria o universo, Vishnu o conserva e Shiva o destrói", explica a monja Sundari Shakti, fundadora do Instituto de Cultura Indiana, em São Paulo.
Uma das religiões mais antigas do mundo, o hinduísmo é adotado por cerca de 800 milhões de fiéis, praticamente todos indianos. Seus deuses podem ser contados às centenas. Acima de tudo, acreditam que há uma força única que seja a origem de tudo -- Brahman. Unir-se a esse espírito absoluto é a meta depois de várias reencarnações, ao final de sucessivas mortes e renascimentos.

Consideram que os seres humanos são parte integrante de Deus, que está em cada ser vivo como alma eterna -- atman. "Para os hinduístas, existe um Deus em tudo e em todos", observa a professora Louris Bechara Esper, que dá aulas sobre religiões comparadas na Escola Karikat Yoga, de São Paulo. Uma referência à presença divina em todas as pessoas é a saudação namastê, que significa "o Deus que existe em mim saúda o Deus que existe em você".

Em pinturas e esculturas, Vishnu e Shiva aparecem de várias formas, enquanto Brahma não costuma ser representado. Cada um tem uma contraparte feminina, na figura de suas esposas, que também podem assumir diversas aparências, personalidades e significados.

Brahma, o criador
Considerado o deus supremo, Brahma surgiu, segundo os hinduístas, como encarnação do espírito universal Brahman. Praticamente não é cultuado hoje, por ser "uma força tão sutil que nem consegue ser imaginada por quem não tem elevação espiritual", segundo a professora Louris Esper. Brahma é representado com quatro cabeças, que fazem referência aos quatro pontos cardeais. Com a diminuição de seu culto, Vishnu e Shiva tornaram-se as duas principais divindades do hinduísmo atual. O contraponto feminino de Brahma aparece como sua esposa, Sarasvati, deusa das artes e criadora do sânscrito, a língua das escrituras sagradas hindus. Os fiéis dedicam a ela um festival na primavera, o Vasant Panchami.


REVISTA BONS FLUIDOS


http://agenciacartamaior.uol.com.br/agencia.asp?id=590&coluna=boletim

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET