HISTORIANET

Vestibulares

Dica 3

Dicas para o vestibular: Transição Feudo-capitalista 11/09/2000

Os momentos de transição na história são revolucionários. O Historianet dá as dicas para o estudo deste importante e complexo momento da história representado pela passagem da idade média para a idade moderna com o advento do capitalismo.

Já alertamos que os momentos de transição juntamente com a história mais recente do século XX estão sendo claramente valorizados pelos vestibulares dos últimos anos.
Nesse texto destacaremos os temas mais importantes na transição feudo-capitalista, passagem da idade média para moderna, e o que os vestibulares tendem a explorar desses temas.

Nessa transição os tópicos mais valorizados são os seguintes:

1- Crise do Feudalismo e as Cruzadas
2- Renascimento Comercial e Urbano
3- Projeção da burguesia
4- Expansão Ultramarina
5- Formação das Monarquias Nacionais
6- Mercantilismo e Antigo Sistema Colonial
7- Renascimento Cultural
8- Reforma e Contra-Reforma

Entenderemos que inicialmente, a crise feudal foi produto de questões internas, ou seja, de antagonismos inerentes a qualquer sistema. No caso a produção limitada do mundo feudal torna-se inadequada ao crescimento demográfico que se acelera por volta do século XI na Europa Ocidental com o fim das invasões bárbaras. O aumento da exploração sobre os servos resultando em fugas e revoltas, acelera a crise já existente, agravando a problemática social para clericais e nobres.
Entender as Cruzadas como guerras patrocinadas pelo ocidente cristão contra a presença muçulmana onde quer que ela se encontre, mas, principalmente na Terra Santa (Jerusalém). Não negar o caráter religioso das cruzadas, porém não reduzi-las somente a esse aspecto.
Livrar a Europa da pressão de servos descontentes e revoltosos, induzindo-os a uma perspectiva de sucesso espiritual e material, desviando a atenção para um inimigo comum (a servos e senhores) e externo; reduzir a densidade demográfica e conquistar terras, tentando assim eliminar, ou pelo menos minimizar a crise feudal; reunificar as duas igrejas cristãs (católica romana e ortodoxa). Eis aí os objetivos mais amplos desse movimento, que ao atingir Constantinopla com a quarta cruzada, reabriu o Mediterrâneo ao ocidente provocando o renascimento urbano e comercial.
No Renascimento Urbano e Comercial valorize as rotas (Mediterrâneo, mar do Norte e Champagne), as feiras e a organização do comércio com as guildas e hansas (ligas de comerciantes).
A produção manufatureira desenvolve-se em unidades próprias, as oficinas, com uma certa divisão do trabalho. As Corporações de Ofício organizando e tentando dar um certo padrão para a produção na Baixa Idade Média.
Concomitante ao comércio monetário destaca-se socialmente a projeção da burguesia que busca aproximar-se dos reis, representantes das monarquias nacionais (Estados Modernos). O rei consolidaria um Estado centralizado, intervencionista e protecionista aos negócios burgueses, unificando leis, idioma, exército e principalmente moeda, criando assim, condições favoráveis para o desenvolvimento do capitalismo comercial.
O monopólio italiano sobre o comércio oriental após as cruzadas, se estenderá até o início do século XV, quando Portugal assume a dianteira da Expansão Ultramarina, que culminará na colonização da América, partilhada principalmente por Portugal e Espanha. O Antigo Sistema Colonial deve ser entendido como parte integrante do Antigo Regime europeu, representado economicamente pelo mercantilismo e politicamente pelo absolutismo. Nesse sentido ser colônia significa atender os interesses da economia central, mercantilista européia, fornecendo matéria prima tropical e consumindo manufaturas. O Pacto Colonial, um pseudopacto na verdade, consolida essa relação de dependência da colônia. A colonização clássica do mercantilismo europeu será a de exploração, baseada no trabalho escravo, monocultura, latifúndio e produção voltada para o mercado externo. Desenvolve-se porém, em menor escala com características exatamente antagônicas, a colonização de povoamento em áreas menos tropicais.
É natural que essas transformações econômicas (comércio monetário), sociais (projeção da burguesia) e políticas (formação das Monarquias Nacionais) alterem também a questão cultural e religiosa.
Em Florença no século XIV inicia-se o Renascimento Cultural, que irá se espalhar pelo mundo europeu ao longo dos séculos XV e XVI, difundindo uma visão mais racional, antropocêntrica e humanista, contrária portanto ao dogmatismo e teocentrismo medievais.
Na Alemanha, no início do século XVI, surgirá Martinho Lutero, o monge agostiniano, que com suas "95 teses" representará o início da Reforma Protestante, uma grave cisão para o cristianismo ocidental. Um de seus discípulos, João Calvino irá consolidar a aproximação do cristianismo com o capitalismo nascente, desenvolvendo a teoria da "predestinação", que julgava o acúmulo de bens e a estabilidade material como sinal de salvação. A reação da igreja católica torna-se oficial em 1545 com o Concílio de Trento.
Em Renascimento Cultural valorize menos as obras e autores e mais os antecedentes, características e desdobramentos. Em Reforma Protestante, além de sua contextualização, valorize seu significado histórico e sua relação com a burguesia e o capitalismo nascentes. Na reação católica, Contra-Reforma, a reorganização da Inquisição, a Companhia de Jesus e o Index, merecem destaque especial.

Aguardem novas dicas e continuem estudando com o HISTORIANET!!!.
Para as próximas semanas estaremos mostrando os temas mais exigidos na transição da Idade Moderna para Contemporânea.




Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET