HISTORIANET

Vestibulares

UEL

01 - Muito se tem falado sobre a origem do islamismo. Os contatos entre o mundo muçulmano e o Ocidente marcaram profundamente a história de ambos, seja pelos conflitos, tão constantes no percurso da humanidade, seja pelos intercâmbios culturais, tão necessários ao desenvolvimento de todos. Sobre a cultura islâmica durante o período medieval, é correto afirmar:

a) O islamismo nasceu com a tribo dos sunitas, povo de origem indo-européia.
b) Os europeus da Península Ibérica foram responsáveis pela introdução da filosofia grega na cultura dos muçulmanos.
c) A expansão muçulmana, liderada pelos árabes, foi marcada pelo respeito aos costumes e crenças dos povos conquistados.
d) A lenta difusão do Islã explica-se pela complexidade de seus preceitos, que dificultaram o aumento do contingente de crentes no Mediterrâneo.
e) A supremacia econômica da Europa feudal incentivou o desenvolvimento do comércio no Império Árabe.
RESPOSTA: C


02 - "A todos os que partirem e morrerem no caminho, em terra ou mar, ou que perderem a vida combatendo os pagãos, será concedida a remissão dos pecados." Essas palavras, proferidas pelo papa Urbano II, em 1095, fizeram parte do discurso que chamava os guerreiros cristãos para o combate, inaugurando o movimento das Cruzadas. Sobre o tema, assinale a alternativa correta.

a) A Igreja dirigiu a atividade militar européia no medievo contra os "infiéis" muçulmanos, transformando as Cruzadas em uma ocasião para o enriquecimento.
b) Protagonizadas pelos imperadores bizantinos, tais expedições pretendiam combater a bruxaria, que cativava parte da população medieval.
c) As Cruzadas tiveram êxito na propagação do cristianismo e fracassaram na retomada do controle das rotas comerciais dos muçulmanos.
d) Nos conflitos das Cruzadas participaram católicos e protestantes, contrários ao domínio turco sobre os Estados Pontifícios.
e) A principal expedição, apoiada pelas autoridades eclesiásticas, ficou conhecida pelo nome de Cruzada das Crianças, ocorrida em 1212.
RESPOSTA: A


03 - "(...) Os índios, arrancados à força das comunidades de todo o Peru, passam o domingo nos currais, dançando ao redor de tambores e bebendo a chicha até rodar pelo chão. Ao amanhecer da segunda-feira são arrastados morro adentro e mascando coca perseguem, a golpes de picareta, as veias de prata, serpentes alviverdes que aparecem e fogem pelas tripas deste ventre imenso, nenhuma luz, ar nenhum. Ali trabalham os índios a semana inteira, prisioneiros, respirando pó que mata os pulmões e mascando a coca que engana a fome e disfarça o esgotamento, sem saber quando anoitece nem quando amanhece, até que no fim do sábado soa o toque de oração e saída. Avançam então, abrindo caminho com velas acesas, e emergem domingo ao amanhecer, que são assim fundas as covas e os infinitos túneis e galerias. (...)" (GALEANO, Eduardo. Memória do Fogo (I). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p. 254-255.)
Com base no texto e nos conhecimentos sobre o tema da mineração na América Colonial Hispânica, considere as seguintes afirmativas:

I - Ao longo dos primeiros duzentos anos de dominação colonial, os espanhóis desenvolveram um setor mineiro que permitiu a manutenção da economia metropolitana e a posição espanhola em meio às demais nações da Europa ocidental.
II - Os metais americanos inundaram a Espanha e favoreceram o desenvolvimento da produção, permitindo a independência espanhola em artigos manufaturados, que eram repassados ao Novo Mundo.
III - A escravidão africana foi introduzida como meio de fazer render ao máximo as minas de Potosí (Alto Peru, atual Bolívia), posto que os índios recrutados nessa região, através da mita, eram poucos e não se adaptaram ao trabalho.
IV- As condições de trabalho dos índios nas minas de Potosí eram insanas, o que acarretava doenças como a pneumonia .

Assinale a alternativa correta.

a) Apenas as afirmativas I, II e III são verdadeiras.
b) Apenas as afirmativas II, III e IV são verdadeiras.
c) Apenas as afirmativas I e II são verdadeiras.
d) Apenas as afirmativas II e III são verdadeiras.
e) Apenas as afirmativas I e IV são verdadeiras.
RESPOSTA: E


04 - "A luta pela independência na América espanhola implicou uma passagem de todo o poder político àqueles que já possuíam a maior parte do poder econômico. Mesmo que no curso das guerras pela independência muitos aventureiros surgidos no seio popular se hajam transformado em chefes militares afortunados e tenham ficado com parte do poder político que os latifundiários, donos de minas e grandes mercadores exigiam para si, isso não altera muito o quadro. De qualquer modo o comércio foi liberado, a aristocracia criolla - que cheirava a esterco, como dizia Sarmiento na Argentina - veio a ocupar o vértice da pirâmide política e a riqueza expropriada aos trabalhadores nativos não perdeu mais a parte tributada à Espanha." (POMER, Leon. As independências na América Latina. São Paulo: Brasiliense, 1981. p. 12-13.)
É correto afirmar que a luta pela independência da América espanhola caracterizou-se:

a) Por lutas sociais cuja finalidade era a implantação de sociedades republicanas, fundadas nas idéias de liberdade e igualdade, ou seja, no pensamento iluminista.
b) Por uma mobilização que buscou instaurar monarquias parlamentares, inspiradas principalmente no modelo inglês e estruturadas de acordo com o pensamento liberal.
c) Por movimentos apoiados pela Inglaterra, que tiveram por objetivo o fim do monopólio comercial imposto pela metrópole espanhola, ou seja, a ruptura do chamado pacto colonial.
d) Como conjunto de movimentos sociais antiescravistas de caráter burguês que objetivavam promover um desenvolvimento capitalista no continente.
e) Por uma transformação na estrutura social, que possibilitou aos trabalhadores nativos o acesso à propriedade da terra.
RESPOSTA: C


05 - O Marquês de Pombal, na Carta Secretíssima ao governador-geral Gomes Freire de Andrada, expôs suas ambições e intenções de realizar reformas no governo do Brasil (1750-1777): "Como o poder e riqueza de todos os países consistem principalmente no número e na multiplicação das pessoas que habitam, esse número e multiplicação de pessoas é mais indispensável agora nas fronteiras do Brasil, para suas defesas." Como não era "humanamente possível" obter essa quantidade de pessoas necessárias do reino ou das ilhas adjacentes (Açores e Madeira) sem converter essas regiões "completamente em desertos", era essencial abolir "todas as diferenças entre índios e portugueses", visando atrair os índios das missões uruguaias e encorajar o casamento deles com europeus". A Carta instruía o governador para que mantivesse o controle da Colônia até as missões serem evacuadas e estarem dentro de terras portuguesas. (Carta Secretíssima de Pombal a Gomes Freire de Andrada (...), Lisboa, 21 set. 1751. Apud. MAXWELL, Kenneth. Marquês de Pombal: paradoxo do iluminismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996. p. 53.)
Sobre o tema, considere as seguintes afirmativas:

I - As instruções contidas na Carta significaram, na prática, a supressão do domínio religioso jesuítico sobre a fronteira e o fim da proteção dos índios pelos jesuítas.
II - A carta atribui às missões a responsabilidade pela dizimação e fuga dos indígenas, que transformaram as fronteiras ao sul com a América espanhola em verdadeiros desertos populacionais.
III - Ao abolir "todas as diferenças entre índios e portugueses", Pombal recomenda a miscigenação como mecanismo para estender o povoamento e o domínio português aos territórios de fronteira sob domínio espanhol.
IV- No governo de Pombal, o grande complexo de missões jesuíticas portuguesas e espanholas contribuiu para assegurar o futuro da América Portuguesa, por intermédio da imigração européia em larga escala.

Assinale a alternativa correta.

a) Apenas as afirmativas II, III e IV são verdadeiras.
b) Apenas as afirmativas I, III e IV são verdadeiras.
c) Apenas as afirmativas I e II são verdadeiras.
d) Apenas as afirmativas I e III são verdadeiras.
e) Apenas as afirmativas II e IV são verdadeiras.
RESPOSTA: D


06 - Leia o texto a seguir, escrito no século XVIII, sobre a cidade mineira de Mariana.
"E apesar de tudo o que se expõe, e que tanto conspira para se julgarem estas minas as mais pobres e desgraçadas das que vivem em sociedade; não é tão fácil afirmar delas este conceito, não se olhando mais que para o seu desmarcado comércio de importação, e vendo ao longe por entre a escassa luz de narrações adulteradas o seu luxo descomedido. Mas se atentar qualquer para o modo por que vivem e comerciam os vassalos de Sua Majestade neste país, verá que o ordinário deles pensa mal, e olha tão somente para uma falsa reputação, e trabalha por um falso brilhante no que pertence aos seus que de longe quer se lhe atribuam: pretendendo, à imitação dos cômicos e figuras teatrais, fingir com palhetas douradas ouro maciço e com vidros lapidados preciosa pedraria." (Representação da Câmara de Mariana, 1789. Apud SOUZA, Laura de Mello. Desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1986. p. 19.)
Com base na leitura do documento acima e nos conhecimentos sobre a mineração e o barroco, é correto afirmar:

a) O barroco mineiro disseminou a concepção de simplicidade e pobreza para todos, espetáculo encenado no teatro e nas festas religiosas.
b) O documento, ao propor a analogia com os espetáculos teatrais, reafirma a existência de uma riqueza e opulência aparentes na sociedade das Minas Gerais.
c) Os intelectuais e letrados mineiros valorizavam em seus escritos saberes relativos à religiosidade, devoção, liturgia e teologia, não se deixando contaminar pela Ilustração, isto é, pelas ciências e saberes profanos.
d) Apesar da importação dos meios de subsistência e dos gastos de compra e manutenção da escravaria, a mineração produziu uma democrática distribuição de riqueza nas Minas Gerais, onde o luxo e a ostentação eram um padrão de conduta acessível a todos.
e) As fraudes na comercialização dos metais, a exemplo do contrabando e do extravio do ouro, são apontados, na Carta, como os responsáveis pela pobreza que dominava os arraiais auríferos.
RESPOSTA: B


07 - "A Guerra iniciada em 1865 interessava, por diferentes motivos, a todos os Estados envolvidos. Os governantes desses Estados, com base em informações parciais ou falsas do contexto platino, anteviram um conflito rápido, cujos objetivos seriam alcançados com o menor custo possível. (...) Dos erros de análise dos governantes envolvidos o de maior conseqüência foi o de Solano Lopez, pois seu país viu-se materialmente arrasado no final da Guerra." (DORATIOTO, F. A Guerra do Paraguai. ed. rev. São Paulo: Brasiliense, 1991. p. 71-72.)
Com base no texto acima e nos conhecimentos sobre a Guerra do Paraguai, considere as seguintes afirmativas:

I - Solano Lopez levou o Paraguai à guerra com o apoio da Argentina e Uruguai, o que lhe permitiu concretizar suas ambições de livrar a Região do Prata do domínio do Império brasileiro.
II - Além dos problemas de fronteira e navegação, o Império brasileiro temia que os conflitos na Região do Prata alimentassem os sentimentos gaúchos de autonomia, anteriormente explicitados na Guerra dos Farrapos.
III - Problemas internos na Argentina e no Uruguai, onde havia forte oposição aos poderes centrais, levaram seus governos a estabelecerem alianças com o Brasil, para deter a ameaça paraguaia e defender as respectivas integridades nacionais.
IV- Terminada a guerra, de curta duração, como previram os governantes dos Estados envolvidos, o saldo foi positivo para todos e garantiu ao Paraguai a independência econômica.
V - Um episódio como a Guerra do Paraguai, muitas vezes analisado através da personalidade de Solano Lopez ou da influência britânica no continente, também deve ser interpretado historicamente em face dos interesses e estratégias dos países envolvidos.

Assinale a alternativa correta.

a) Apenas as afirmativas I, II e V são verdadeiras.
b) Apenas as afirmativas II, III e IV são verdadeiras.
c) Apenas as afirmativas II, III e V são verdadeiras.
d) Apenas as afirmativas I, III e IV são verdadeiras.
e) Apenas as afirmativas III, IV e V são verdadeiras.
RESPOSTA: C


08 - Pode parecer estranho terem ocorrido tantas revoltas! Afinal, esse foi um período em que se procurou dar alguma autonomia às Assembléias Provinciais e também organizar a distribuição de rendas entre o governo central e as províncias. Porém, nunca eclodiram tantas revoltas em vários lugares do recém fundado Império do Brasil, contando, inclusive, com a presença dos setores empobrecidos da população.
O texto acima refere-se a que momento da história do Brasil? Assinale a alternativa correta.

a) Regências
b) Independência
c) Guerra do Paraguai
d) Assembléia Constituinte de 1823
e) II Reinado
RESPOSTA: A


09 - Leia os trechos abaixo, que apresentam comentários sobre três pintores europeus do século XIX.
"Em 1848, o ano do Manifesto Comunista e das grandes lutas operárias, François MILLET expõe um quadro que representa um camponês no trabalho: a ética e a religiosidade do trabalho rural continuarão sendo os temas dominantes de sua obra. Porém ainda que sincera, a escolha política de Millet é ambígua: por que os camponeses e não os operários das fábricas (...)? A burguesia se entusiasma com Millet por pintar os camponeses, que são trabalhadores bons, ignorantes, sem reivindicações salariais nem veleidades progressistas. (...) [O pintor] escolhe conteúdos poéticos, ama as penumbras envolventes que unem figuras e paisagem, os efeitos sugestivos de luz, os motivos patéticos."

"DAUMIER escolhe (em seus quadros) a ação política. O povo, para ele, é a classe operária em luta contra governos liberal-burgueses, que falam de liberdade, mas são submissos ao capital."

"VAN GOGH se interroga, cheio de angústia, sobre o significado da existência, do estar-no-mundo. (...) Num primeiro momento, na Holanda, aborda frontalmente o problema social. São quadros quase monocromáticos; escuros; uma polêmica vontade de fealdade deforma as figuras. A industrialização que prospera nas cidades trouxe a miséria aos campos, acabando por privá-los não só da alegria de viver, como também das luzes e das cores."
(ARGAN, G. C. Arte Moderna: do Iluminismo aos movimentos contemporâneos. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 71, 123-124.)
Com base nos textos e nos conhecimentos sobre o século XIX, assinale a alternativa correta.

a) O autor demonstra que a produção e recepção artísticas devem ser analisadas com certo distanciamento em relação ao contexto histórico e sugere que o processo de criação do artista e a repercussão de sua obra dissociam-se da realidade vivida.
b) A década de 1840 pode ser caracterizada pela exclusividade britânica durante a industrialização na Europa e pelo conformismo do proletariado, dos intelectuais e dos artistas.
c) O camponês representa o sujeito histórico que, no Manifesto Comunista, foi apontado como protagonista na superação do capitalismo.
d) Para o autor, Millet define sua posição política ao tematizar em seus quadros a figura do camponês, retratando assim os movimentos sociais que agitavam a França em 1848.
e) Pintores como Van Gogh e Daumier revelam grande sensibilidade social em suas obras, no momento em que assistiam às conseqüências da industrialização para o campo e a exploração da classe operária nas cidades.
RESPOSTA: E


10 - Leia o texto a seguir sobre as relações econômicas entre a Europa e a América Latina após a independência.
"As novas funções da América Latina na economia mundial são facilitadas pela adoção da política de livre-câmbio, que agora se afirma por toda a parte. Essa política tinha uma auréola de prestígio excepcional, já que garantia aos países metropolitanos um maravilhoso instrumento ideológico de penetração econômica nas zonas marginais, e também porque desenvolvia uma obra de reconciliação geral no âmbito do regime capitalista; o livre câmbio é a fé comum dos dirigentes políticos e das camadas superiores. Ele acelera o processo iniciado na América Latina; e este é o motivo, decerto, de sua popularidade, intensificada ainda mais pelos novos hábitos de consumo de extratos urbanos em expansão." (DONGHI, T. H. História da América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975. p. 129.)
Com base no texto e nos conhecimentos sobre o tema, é correto afirmar:

a) Com a independência política, as nações que se formaram na América Latina tornaram-se economicamente autônomas, iniciando, ainda no século XIX, a sua industrialização.
b) A política do livre-câmbio foi uma das características do mercantilismo e obteve prestígio por garantir a justiça social nas nações que a adotava.
*c) Através do livre-câmbio, os recém-formados Estados Nacionais latino-americanos inseriram-se na economia capitalista mundial, por meio de acordos que beneficiaram tanto as nações metropolitanas, quanto os dirigentes políticos e as classes dominantes daqueles Estados.
d) No momento em que os países da América Latina tornavam-se independentes de Portugal e Espanha, a adoção do livre-câmbio desfavoreceu a Inglaterra porque ela estava enfraquecida em relação ao comércio exterior e voltada a seus problemas internos.
e) Os extratos urbanos que se expandiram nos países latino-americanos foram responsáveis por uma oposição ao livre-câmbio, pois seus hábitos de consumo estavam ligados ao mercado interno.
RESPOSTA: C


11 - Sobre a PrimEira Guerra Mundial, considere as seguintes afirmativas:

I - As principais potências européias (Inglaterra, Alemanha, França, Rússia) disputavam entre si mercados, áreas de influência e colônias pelo mundo, o que provocou uma feroz corrida armamentista e a criação de um complexo sistema de alianças diplomáticas.
II - Em 1914, estimulados por ideologias chauvinistas, milhões de cidadãos de vários países europeus se apresentaram voluntariamente para os centros de recrutamento militar, assim que irrompeu a Primeira Guerra Mundial.
III - Ao final da Primeira Guerra Mundial, Grã-Bretanha e França submeteram economicamente o Oriente Médio, fragmentando a estrutura política unificada dos países árabes, que durara quatro séculos, sob o Império Otomano.
IV- A Sociedade das Nações e o Tratado de Versalhes garantiram a reconstrução política européia após a Primeira Guerra Mundial, extinguindo rivalidades e instaurando uma paz duradoura.

Assinale a alternativa correta.

a) Apenas as afirmativas I, II e III são verdadeiras.
b) Apenas as afirmativas II, III e IV são verdadeiras.
c) Apenas as afirmativas I, II e IV são verdadeiras.
d) Apenas as afirmativas I e IV são verdadeiras.
e) Apenas as afirmativas II e III são verdadeiras.
RESPOSTA: A


12 - "O GOVERNO PROVISÓRIO FOI DEPOSTO; a maioria de seus membros está presa. O poder soviético proporá uma paz democrática imediata a todas as nações. Ele procederá à entrega aos comitês camponeses dos bens dos grandes proprietários, da Coroa e da Igreja... Ele estabelecerá o controle operário sobre a produção, garantirá a convocação da Assembléia Constituinte para a data marcada... garantirá a todas as nacionalidades que vivem na Rússia o direito absoluto de disporem de si mesmas." (O Congresso dos Sovietes proclama a queda do Governo Provisório. Apud FERRO, Marc. A revolução russa de 1917. São Paulo: Perspectiva, 1974. p. 126.)
Com base no documento acima e nos conhecimentos sobre a Revolução Russa, é correto afirmar:

a) O texto caracteriza o ensaio revolucionário ocorrido na Rússia em 1905, que teve início com o episódio conhecido como o Domingo Sangrento.
b) A destituição do Governo Provisório devolveu à aristocracia as terras desapropriadas durante a sublevação popular.
c) O documento destaca a principal contradição da atuação política dos integrantes dos sovietes: a manutenção a qualquer preço do esforço de guerra contra os alemães.
d) O Congresso dos Sovietes de operários, soldados e camponeses, que proclamou o documento acima, colocou em prática a tese "Todo poder aos sovietes", defendida por vários revolucionários russos.
e) A intolerância russa em relação às outras nacionalidades pode ser percebida no documento que aclamou a derrubada do Governo Provisório.
RESPOSTA: D


13 - "Durante a Grande Depressão, à medida que os negócios e a indústria privados entravam em colapso, e o desemprego das massas crescia tanto quanto o seu desespero, a construção civil viu-se transformada de empresa privada em empreendimento público e em um grave e urgente imperativo público. Virtualmente tudo o que foi construído de importante na década de 30 - pontes, parques, estradas, túneis, barragens - foi obra dos recursos federais, sob os auspícios das grandes agências do New Deal. Tais projetos foram elaborados em torno de complexas e bem articuladas metas sociais." (In: BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986. p. 283-284.)
Com base no texto e nos conhecimentos sobre a crise de 1929 e o New Deal, assinale a alternativa correta.

a) A Depressão Econômica iniciada com a queda da Bolsa de Nova York, em 1929, teve como resposta a política do Presidente Roosevelt, cujos objetivos foram criar atividade econômica, fomentar o consumo e estimular o setor privado.
b) New Deal foi a designação dada à política federal de financiamento para reconstrução do que fora destruído durante a Guerra Civil Americana.
c) A década de 1930 caracterizou-se pelo triunfo do liberalismo clássico nos Estados Unidos, pelo fortalecimento da iniciativa privada e sua total emancipação em relação ao Estado.
d) Os Estados Unidos saíram enfraquecidos da Primeira Guerra Mundial, não conseguindo alcançar um desenvolvimento agrícola e industrial voltado para as crescentes demandas internas e externas.
e) A construção civil foi um setor da economia norte-americana pouco atingido pela crise de 1929, mantendo-se como exemplo da capacidade de autonomia da iniciativa privada naquele país.
RESPOSTA: A


Leia com atenção o texto abaixo e responda as questões 14 e 15.

"O que mais a impressionou no passeio foi a miséria geral, a falta de cultivo, a pobreza das casas, o ar triste, abatido da gente pobre. Educada na cidade, ela tinha dos roceiros a idéia de que eram felizes, saudáveis e alegres. Havendo tanto barro, tanta água, porque as casas não eram de tijolos e não tinham telhas? Eram sempre aquele sapê sinistro e aquele ‘sopapo’ que deixava ver a trama das varas, como o esqueleto de um doente. Por que ao redor dessas casas não havia culturas, uma horta, um pomar? (...) E não havia gado, nem grande nem pequeno. Era raro uma cabra, um carneiro. Por quê? Mesmo nas fazendas, o espetáculo não era mais animador. Todas soturnas, baixas, quase sem o pomar olente e a horta suculenta. A não ser o café e um milharal, aqui e ali, ela não pôde ver outra lavoura, outra indústria agrícola. Não podia ser preguiça só ou indolência. Para o seu gasto, para uso próprio, o homem tem sempre energia para trabalhar. (...) Seria a terra? Que seria?" (BARRETO, Lima. Visita ao Sossego. In: AGUIAR, Flávio (org.). Com palmos medida: terra, trabalho e conflito na literatura brasileira. São Paulo: Boitempo/Fundação Perseu Abramo, 1999. p.157.)

14 - Na obra de Lima Barreto, história e literatura relacionam-se. Sobre o contexto sociocultural dessa obra, é correto afirmar:

a) O olhar crítico sobre a realidade social predominava na literatura nacional difundida à época da Proclamação da República.
b) Ao lado de Euclides da Cunha, autor de Os Sertões, Lima Barreto prenunciava, no Brasil, a falência da literatura como arte de salão.
c) A literatura que representava a história brasileira a partir da denúncia das contradições sociais foi encorajada com a fundação da Academia Brasileira de Letras, em 1897.
d) Lima Barreto foi um representante da estética simbolista, cujos partidários rejeitavam a influência da literatura européia.
e) A associação entre texto literário e história, explicitada no trecho acima, foi marcada pelo distanciamento dos problemas centrais do povo brasileiro.
RESPOSTA: B


15 - Com base na leitura do texto acima e nos conhecimentos sobre as condições de vida e trabalho no meio rural brasileiro até 1950, é correto afirmar:

a) A ausência de uma diversidade de animais de criação revelava a preferência dos pequenos proprietários e posseiros pela bovinocultura, característica herdada da colonização.
b) Nas fazendas era comum a associação da grande lavoura com a produção hortifrutícola, estimulada em larga escala pelos latifundiários.
c) O contraste entre a habitação urbana e a rural explicava-se pela escassez de insumos industriais no mundo rural.
d) O monopólio da terra contribuía para a especialização agrícola e delimitava a disciplina de trabalho no campo.
e) A justificativa para o contentamento entre os habitantes do meio rural tinha suas raízes na morosidade dos ritmos de trabalho.
RESPOSTA: D

16 - Com base na ilustração, que retrata o cenário da modernidade no início do século XX, é correto afirmar:

a) O acesso fácil à iluminação pública, fornecida pela Light na cidade de São Paulo, e à rede de bondes elétricos no Rio de Janeiro beneficiou a população em geral, gerando crise no setor imobiliário e protestos no cotidiano urbano.
b) O dirigente político, à esquerda na ilustração, rejeita assumir a imagem de agente legítimo e incontestável da modernização e mostra-se submisso à eletricidade e ao seu aparato tecnológico.
c) A imprensa, como veículo de comunicação de massa, reiterou, através da imagem, as alterações tecnológicas sobre a velocidade e a eletricidade, que causaram profundas mudanças na estrutura da sociedade e da cultura.
d) Apesar da buzina e da velocidade dos bondes elétricos, sua presença nas ruas reforçou a lentidão do tempo individual e das transformações no cotidiano urbano.
e) Cauteloso e alarmado, o condutor do veículo no alto da ilustração trafega em meio a um trânsito urbano tranqüilo e lento, onde os transeuntes não precisavam caminhar pelas ruas em estado de alerta.
RESPOSTA: C















Calixto Cordeiro, sem título, 1907. Apud SEVCENKO, Nicolau. A capital irradiante: técnicas, ritmos e ritos do rio. In: SEVCENKO, Nicolau (org.). História da vida privada no Brasil: República - da Belle Époque à Era do Rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. v. 3, p. 547.

17 - "(...) Nada de postiço, meloso, artificial, arrevesado, precioso: queremos escrever com sangue - que é humanidade; com eletricidade - que é movimento, expressão dinâmica do século; violência - que é energia bandeirante. Assim nascerá uma arte genuinamente brasileira, filha do céu e da terra, do homem e do mistério (...). Por que não atualizarmos nossa arte, cantando essas Ilíadas Brasileiras? Paremos diante da tragédia hodierna, a cidade tentacular radica seus gânglios numa área territorial que abriga 600 mil almas. Há na angústia e na glória de sua luta odisséias mais formidáveis que as contou o aedo cego (...) Tudo isso - e o automóvel, os fios elétricos, as usinas, os aeroplanos, a arte - tudo isso forma os nossos elementos da estética moderna, fragmentos de pedra em que construiremos, dia a dia, a Babel do nosso Sonho, no nosso desespero de exilados de um céu que fulge lá em cima, para o qual galgamos na ânsia devoradora de tocar com as mãos as estrelas." (Palestra de Menotti de Picchia no segundo dia da Semana de Arte Moderna, em São Paulo (1922). Apud SEVCENKO, Nicolau. Orfeu estático na metrópole: São Paulo, sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 269-270.)
Menotti del Picchia, na Semana de Arte Moderna, condensa em seu discurso os anseios dos modernistas brasileiros. Assinale a alternativa correta.

a) Os modernistas, por levarem às últimas conseqüências a liberdade formal na escrita literária, desprezaram em suas obras o conteúdo.
b) A cidade, com sua complexa rede de elementos modernos, como a eletricidade, os aeroplanos, os automóveis, é para os modernistas uma metáfora sem referência social.
c) A crítica às correntes culturais européias e aos modelos estéticos importados acontece em nome de uma arte nacional, da valorização dos elementos da brasilidade.
d) Escrever com sangue significa reproduzir os padrões estéticos herdados dos ancestrais europeus para glorificar na arte nacional os elementos da estética moderna.
e) O discurso decompõe a cidade, exaltando a civilidade urbana em detrimento da natureza, como única linguagem inteligível para a arte moderna.
RESPOSTA: C


18 - O tenentismo dos anos vinte pode ser concebido, segundo o historiador Boris Fausto, "como um movimento política e ideologicamente difuso, de características predominantemente militares, onde as tendências reformistas autoritárias aparecem em embrião. As explosões de rebeldia (...) se iniciam, em regra, com o caráter de tentativa insurrecional independente dos setores civis, e embora esse quadro pouco a pouco se modifique, até se chegar ao acordo nacional com as oligarquias dissidentes na Revolução de 30, o desencontro de caminhos permanece." (FAUSTO, Boris. A Revolução de 30: historiografia e história. 16. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1977. p. 80-81.)
Com base no texto e nos conhecimentos sobre o tema, é correto afirmar:

a) Os tenentes eram porta-vozes de uma ideologia bem definida, baseada nos princípios filosóficos do positivismo.
b) A Revolta do Forte de Copacabana, em 1922, pretendeu ser um episódio revolucionário de organização dos setores civis, que visava integrá-los ao movimento tenentista.
c) Representantes da elite do exército, formados na Escola Militar da Praia Vermelha, os tenentes procuraram superar os limites para uma ampla reforma no capitalismo nacional.
d) Os remanescentes do tenentismo combateram a chamada Revolução de 30, rejeitando assim compromissos com as reformas políticas de caráter liberal.
e) A disposição para o enfrentamento armado e o fato dos tenentes se apresentarem como salvadores da pátria foram traços característicos do romantismo tenentista.
RESPOSTA: E


19 - "O Presidente Roosevelt provocou os japoneses para que nos atacassem em Pearl Harbor. (...) Hoje, sabemos o que ele tinha em mente: sair em socorro da Inglaterra para combater o aliado do Japão, Hitler." (VIDAL, Gore. Algo de novo na terça-feira negra. Folha de São Paulo, 18 set. 2001, p. 9.)
"A opinião pública americana encarava o Pacífico (ao contrário da Europa) como um campo normal para a ação dos Estados Unidos, mais ou menos como a América Latina. O ‘isolacionismo’ americano pretendia manter-se fora apenas da Europa. Na verdade, foram o embargo ocidental (isto é, americano) ao comércio japonês e o congelamento de bens japoneses que obrigaram o Japão a passar à ação (...)." (HOBSBAWM, E. A Era dos Extremos: o breve século XX. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p. 48.)
Com base nas afirmações acima e nos conhecimentos sobre o tema, assinale a alternativa correta.

a) O ataque surpresa a Pearl Harbor obrigou os Estados Unidos a se envolverem nos conflitos que ocorriam na Europa e na Ásia, contrariando sua tradicional política de neutralidade em relação aos conflitos bélicos ocorridos fora de seu território.
b) O ataque japonês a Pearl Harbor pode ser entendido como o resultado de uma estratégia norte-americana para se envolver, com o aval da opinião pública, nos conflitos iniciados na Ásia entre Japão e China, e na Europa por Hitler.
c) O ataque a Pearl Harbor deveu-se à extrema diferença cultural entre Ocidente e Oriente, que fez com que os japoneses apontassem os Estados Unidos como inimigos capazes de impedir a perpetuação das tradições japonesas e de garantir o isolamento norte-americano em relação ao mundo ocidental.
d) Com base nos textos, é correto afirmar que as ações militares dos japoneses em Pearl Harbor foram responsáveis pela transformação de um conflito localizado em uma guerra mundial, pois até aquele momento os regimes totalitários surgidos na Europa não ameaçavam o mundo liberal-democrático.
e) Os Estados Unidos decretaram embargo econômico ao Japão com a finalidade de proteger a China, pois a "política de apaziguamento" adotada pelas potências ocidentais democráticas previam intervenções em regiões ameaçadas pelas agressões das potências do Eixo (Alemanha, Itália e Japão).
RESPOSTA: B


20 - "Queremos nossa liberdade/ Liberdade para pensar e falar/ queremos escola para nossas crianças/ E queremos mais casas para o nosso povo... queremos: Leite, carne e pão/ E mais casas para o povo... Queremos/ Viver sem opressão/ Queremos progresso para nosso país."
Ataulfo Alves compôs, após a queda de Getúlio Vargas, em 1946, o samba "Isto é o que nós queremos", sobre o qual é correto afirmar:

a) O compositor expressa seu apoio ao governo varguista, cumprindo as determinações do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP).
*b) Ataulfo, para pensar no Brasil como uma nação em desenvolvimento, apropriou-se do nome do movimento queremista e tomou emprestada a retórica do regime de Vargas sobre prover o básico em alimentação e moradia aos trabalhadores.
c) O samba de protesto foi um gênero bastante difundido durante o Estado Novo e teve por intuito criticar o regime e estimular a deposição de Vargas.
d) Os protestos do letrista pela falta de moradia, alimentação e educação são um apelo estético, distante das dificuldades enfrentadas pela população no período pós-Getúlio.
e) O apelo ao progresso restringe-se à implantação de um sistema político democrático moderno no Brasil, que venha substituir a ditadura varguista.
RESPOSTA: B

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET