HISTORIANET

América Independente

Caudilhismo

De acordo com os dicionários, caudilho é chefe militar ou simplesmente chefe, quem dirige um bando o.u facção. É o mesmo que cacique. Se o fenômeno é universal, adquire vigor em áreas caracterizadas pelo subdesenvolvimento, como forma política rudimentar. Convencionou-se mesmo ser típico da América Latina, notadamente dos países surgidos do Império espanhol.
Como se escreveu, nas lutas pela Independência, os líderes em realce subordinam tudo mais, encampando o poder político, do qual não abrem mão. O caudilho sobrepõe-se à lei, sua vontade é lei. Não admite crítica ou oposição, pois se considera entidade não contestável. Cerca-se de servidores fiéis, designados para cargos importantes, como prepostos. Forma-se assim máquina administrativa de traços rudimentares, a coisa pública vista como particular, organização patrimonial, feita para o exercício de um homem ou grupo, desconhecendo as normas de racionalida de, de eficiência em tom impessoai. Premiando os submissos e perseguindo desafetos, obtém fidelidades totais - tudo fora do esquéma é perseguido ou exterminado. . Se os primeiros caudilhos foram lutadores pela Independência, mantém-se entre eles a tradição de falar em liberdade.
Surgem, quase sempre, chefiando movimento pela derrubada de quem usurpa o poder e o exerce tiranicamente. O novo chefe projeta-se invocando a liberdade, assume o govemo com o apoio popular; aí instalado, quer manter-se e repete a experiência contra a qual lutou, para enfrentar a oposição, necessariamente logo formada.
A falta de tradição política explica o fenômeno do caudilho. Ele pode ser simples agente dos grandes proprietários de terras contra as inquietaçòes populares, das senhores do comércio com o exterior ou dos agentes do capital imperialista explorador do país. Ou é um elemento do povo, inflamado por sua causa e pregando-a com vigor e até demagogia, fascinando as massas, nos raros momentos de estabilidade institucional, até tomar o gaverno e subverter a ordem. A pobreza geral e a falta de perspectivas para superação do quadro econômico condicionam o aparecimento de um novo líder.
Na História da América Latina há chefes lúcidos e broncos, estes em maior número. Como na Europa no tempo do absolutismo se falou em déspota esclarecido, o dirigente sem contestação, mas com programa de trabalho conduzindo ao bem-estar do maior número, o mesmo pode ser encontrado no Novo Mundo. Houve caudilhos com programas inteligentes, dedicados à causa do seu povo ou da nação. No comum, no entanto, eles se conduzem em termos apenas de continuísmo, submetendo tudo e todos a uma disciplina rígida e até eliminadora de qualquer pretensão livre. O apoio do Exército é imprescindível, se o governo está fundado na força: dele provém o maior número` desses dirigentes. Se a oposição tem origem popular, se é o povo a maior vítima, com o tempo alguma figura de militar de prestígio passa a ambicionar o posto supremn. Conspira e quando deflagra o movimento e depõe o governante malquisto, conta com o apoio entusiástico do povo, com o qual às vezes já mantinha relação com vistas ao golpe político.

Demais, nunca faltou à dasse dirigente o apoio externo. O caudilhismo, para se perpetuar, entrega-se à corrupção, interna e externa. As forças da ùonomia mundial, com interesses em países americanos, não negam apoio a essas autoridades, conquanto resguardem seus negòcios. Chegam mesmo a dar dinheiro, para armar o poder. Completam-se assim dois interesses escusos: o de quem deseja continuar e aceita o apoio externo e o das forças exploradoras dos recursos nacionais, se têm a garantia dos mesmos grupos arn~ados para continuarem no ramo rendoso, com baixos salários ao povo sem meios de revolta. Nem todos os caudilhos foram corruptos, é certo, mas é decorrência do pròprio sistema a corrupção, pois o único valor é a continuidade do poder.

Todos os países latino-americanos conheceram essa figura. Elas surgem, crescem e muitas vezes acabam derrubadas por força adversa, com vigor adquirido ao longo dos anos. O fim comum do caudilho é a fuga para o exterior ou ser assassinado pelo inimigo que lhe ocupa o lugar. Em quase regra esse novo govemante, se aparece em nome da liberdade, acaba também por ser caudilho. Dezenas de exemplos poderiam ser invocados.

Lembre-se, entre outros, Porfirio Diaz, com o govemo do México de 1876 até 1910 - homem lúcido, realizou grandes obras em seu país, marcando o seu período com trabalhos notáveis.

Começou como liberal, adquirindo aos poucos os traços de intolerância. De fató,`é impossível a alguém perpetuar-se no poder sem adquirir conotações de violência, corrupção, desprezo pelo povo. Porfirio Diaz tentou modemizar o México, negando-lhe a tradição e com o desapreço de seu povo. Atraiu técnicos estrangeiros - a capital teve urbanização à maneira francesa. Para ele, civilizar era desindianizar.

Contra o seu sistema se fez a Revolução em 1910: ela vai exatamente valorizar ao máximo o índio, a tradição. Contará em seu princípio com vários caudilhos de acidentada trajetória, como Pancho Villa, Zapata, Obregon e outros. Na História do país, antes e depois de 19Jo, como na das outras nações do continente, o caudilhismo foi quase regra.
A política da América é uma sucessão de_absolutismos, não de liberdades: não há longos períodos de leis interrompidos por golpes, mas longos períodos de violência intercalados por momentos de paz, de ordem e respeito às normas legais.

História para o Vestibular e Cursos de Segundo Grau
Francisco Iglesias
DIFEL

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET