HISTORIANET

Antiga

Antigüidade Oriental

Esse tema comumente é tratado dentro do chamado Modo de Produção Asiático.

Falar em Modo de Produção é um tanto abstrato e conceitual, mas, na realidade, quando entendemos que Modo de Produção é a forma pela qual uma sociedade organiza seu modo de vida, com certeza torna-se mais fácil nos prendermos ao assunto.

Sem dúvida, ao iniciarmos o tema o primeiro interesse despertado é em relação à uma série de mitos em torno dessas primeiras civilizações que se formaram na História.



Porém, devemos levar em consideração que um dos papéis da História é justamente o de destruir os mitos -- pois, muitas vezes nos deixamos seduzir por determinados mitos que nos impedem de realmente ver a História.

Existe uma grande preocupação do estudante no sentido de "como estudar " e "como compreender" as várias civilizações antigas do Oriente Próximo, nos vários períodos de sua história.

É necessário não se apegar a detalhes - muitas vezes curiosos e interessantes - e procurar entender a essência dessas civilizações dentro de uma regra geral : O Modo de Produção Asiático, e a partir de então estudar algumas exceções ou peculiaridades.

As características gerais do Modo de Produção Asiático

Quando falamos que a produção econômica dessas civilizações é predominantemente agrária, que as sociedade é estratificada e estamental, que predomina a teocracia enquanto forma de dominação política e que a religião é politeísta. Não podemos entender essas várias realidades como partes estanques e desligadas umas das outras.

Muito ao contrário, em razão de um Estado teísta, forte, despótico e centralizado toda a comunidade era levada a obedecer a esses grandes deuses que a governava.

A situação a que esses grupos eram reduzidos, vivenciando a mais plena condição de ignorância, fazia-os acreditar que esse grande deus controlava, inclusive, os destinos da própria Natureza.

Dessa forma, vimos nesse momento também a criação de mecanismos de dominação ideológica, além de uma mera preocupação com o controle sobre a Natureza.

Portanto, para nós o estudo sobre construção de pirâmides, zigurates, mumificação, tábuas e códigos de leis escritas apenas ganham sentido quando vistos dentro dessa perspectiva.

As principais exceções

A Civilização Fenícia foi uma grande exceção na Antigüidade: Ocupando uma estreita faixa de terra do litoral do mediterrâneo até as montanhas do Líbano, o povo fenício dividiu-se politicamente, fazendo com que suas cidades possuíssem autonomia política uma frente a outra, como cidades Estado, não havendo portanto um Estado centralizado. A economia baseava-se no comércio, principalmente marítimo, pelo Mediterrâneo, alcançando a Península Ibérica, possibilitou a formação de uma camada enriquecida, responsável pelo controle político da cidade, portanto dizemos que nas cidades fenícias houve uma Talassocracia ( Governo "daqueles que vêm do mar" ). Em tese havia mobilidade social, pois um mercador poderia enriquecer e então passar a Ter direitos políticos, o que na prática era muito difícil.

Destaca-se a criação do primeiro alfabeto fonético e grande desenvolvimento da arte náutica, tanto em termos de construção como em termos de navegação.



No Egito, apesar de ser considerado o modelo clássico do modo de produção asiático, encontramos um momento importante de exceção: Em 1377 a.C. o faraó Amenófis IV implementou o culto monoteísta à ATON, representado pelo disco solar. O Faraó executou violenta repressão aos sacerdotes, tomou terras e fechou templos, com o intuito de eliminar a grande influência do clero sobre o povo e sobre as relações sócio econômicas.

Na Mesopotâmia a principal exceção foi o povo assírio, originário da região norte, montanhosa e pouco fértil, portando dependiam da caça e posteriormente da guerra para sobreviverem. Sua expansão foi responsável pelo domínio sobre toda região sul e pela construção de um grande Império.



O Império Persa começou sua expansão após a unificação com os Medos, em 555 a.C., liderada por Ciro. A religião oficial era dualista, criada por Zoroastro, que supunha uma eterna luta entre o deus do bem e o deus do mal. No entanto, os persas foram bastante tolerantes do ponto de vista cultural e religioso com os povos dominados.



O povo Hebreu caracteriza-se principalmente por ter sido o único povo monoteísta da Antigüidade. Sua história é conhecida principalmente através do Antigo Testamento, que não é apenas uma obra religiosa, mas que trata de aspectos variados de sua história, como a importância de patriarcas e juizes, assim como das técnicas utilizadas na agricultura. Existem três momentos importantes que devem ser destacados: O Êxodo, o Cisma e a grande Diáspora do século II.

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET