HISTORIANET

Atualidades

Etnocentrismo e Anacronismo no descobrimento do Brasil

Para o historiador Fernando Novais, professor aposentado do Departamento de História da USP e professor do Instituto de Economia da Unicamp, o ano de 1500 marca para a História do Brasil o surgimento das bases da colonização portuguesa, e nunca o descobrimento do Brasil. Autor de um dos principais clássicos da historiografia colonial - "Portugal e Brasil na Crise do Antigo Sistema Colonial (1777-1801)" - Fernando Novais, em entrevista publicada no jornal Folha de São Paulo em 24 de abril de 2000, enfatiza a crítica ao etnocentrismo e ao anacronismo presentes na história do Brasil com a viagem de Cabral.
Quando utilizamos o termo Descobrimento do Brasil, encontramos tanto etnocentrismo como anacronismo. O primeiro está presente na palavra Descobrimento e o segundo em Brasil. Para o historiador, o etnocentrismo encontra-se em nossa história, evidenciando a visão do conquistador, do vencedor, onde os portugueses seriam "o agente" e os índios "os descobertos", os protagonistas passivos do episódio. A crítica ao etnocentrismo porém, não deve nos levar à idéia de reconstituir a história do ponto de vista dos vencidos: "... nós não podemos nos transformar em índios. Uma coisa é fazer o estudo da visão dos índios e outra é reconstituir a história a partir do seu ponto de vista. A história precisa ultrapassar os pontos de vista do vencido e do vencedor e dizer alguma coisa a mais. Como nação, somos herdeiros dos europeus, dos índios e dos negros, mas todos não participam da mesma maneira na nossa formação. Um foi o vencedor e os outros foram os vencidos."
A questão do anacronismo é um pouco mais delicada, já que os historiadores não a discutem, como discutem o etnocentrismo. Para Fernando Novais, o anacronismo somente seria evitado se, no momento de reconstituir determinado segmento do passado, o historiador não soubesse o que aconteceu depois. "O historiador incorre no anacronismo quando ele imputa aos protagonistas o conhecimento sobre os acontecimentos posteriores. A reconstituição se torna uma profecia do passado."
O perigo do anacronismo é muito maior principalmente quando a nação, como objeto do discurso do historiador, precisa de passado para se legitimar. "Os franceses, por exemplo, vêem seu passado mais remoto na Gália romana. No caso do Brasil, reconstituir a viagem de Cabral como Descobrimento do Brasil pressupõe imaginar que ele já sabia que iria se reconstituir no século XIX uma nação com esse nome. Isso é anacronismo. E a viagem se torna fundadora, isto é, um mito."
Fernando Novais afirma que o Brasil é um povo que se constituiu numa nação, que posteriormente se organizou como Estado. Em 1500 não havia nenhuma dessas três coisas. Logo, não houve Descobrimento do Brasil, porque o Brasil não existia nem estava encoberto. Naquele momento surgiram apenas as bases da colonização portuguesa, que é a base da nossa formação. "A história do Brasil é essencialmente a de uma colônia que se transformou numa nação. Logo, a colonização é a base de nossa história e nesse sentido Cabral é importante."
Outra questão colocada na entrevista trata do momento em que a população começou a se pensar como diferente de seus antecessores. Esse sentimento da diferença do colonizador surge somente na segunda metade do século XVlll, como desdobramento de uma evolução natural à formação histórica do Brasil, onde a população, primeiro luso-brasileira, vai se sentindo menos lusa e mais brasileira até se sentir somente brasileira.
"Até o início do século XlX, ‘brasileiro’ era o comerciante do pau-brasil. É uma das diferenças entre os hispano-americanos e os luso-americanos. Na América Espanhola, desde o fim do século XVl, os espanhóis nascidos na colônia se chamavam de ‘criollos’.
Não há no Brasil palavra equivalente. Havia no Nordeste a palavra ‘mazombo’. A partir do século XVll usava-se por aqui a palavra ‘reinol’ para designar os portugueses nascidos em Portugal. Logo, diferentemente dos hispano-americanos que se identificavam por aquilo que julgavam ser (‘nossotros somos criollos’), os luso-americanos se identificavam negativamente por aquilo que sabiam não ser ( ‘ nós não somos reinóis ’ ). Isso é importante para compreendermos porque na América espanhola o processo foi muito mais revolucionário. Por aqui foi uma transição dinástica."
Nesses 500 anos que nos separam da expedição cabralina, é importante restabelecer o verdadeiro significado histórico da viagem de Cabral, reduzindo sua dimensão, ainda superestimada na história do Brasil. Em abril de 1500, Cabral apenas chegou em terras ocidentais e a partir daí, a intenção de Portugal sempre foi a de criar uma colônia, e não uma nação.
A viagem de Cabral - uma esquadra apenas secundária para coroa portuguesa, de caráter subsidiário à expedição de Vasco da Gama nas Índias - não significou Descobrimento e nem deve ser vista como iniciadora da colonização. Esta, começou de fato, somente por volta de 1532, com a expedição de Martim Afonso de Sousa, que além de ter fundado o primeiro núcleo de colonização - a vila de São Vicente - , trouxe para colônia, as primeiras mudas de cana-de-açúcar, inaugurando o primeiro engenho, no processo de consolidação do Antigo Sistema Colonial.

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET