HISTORIANET

Livros

A falsa medida do homem

TÍTULO: A FALSA MEDIDA DO HOMEM
AUTORES: Sthephen Jay Gould
EDITORA: Martins Fontes

Neste livro Gould analisa o determinismo biológico, ou seja, a biologia e seus métodos, tais como a craniometria e o quociente de inteligência, usados para corroborar tanto a idéia de hierarquização das raças humanas, bem como, certas teorias racistas relacionadas a superioridade do homem branco ocidental. O autor nos dá uma visão histórica desde meados do século XIX, e de como estes métodos muitas vezes foram utilizados de maneira tendenciosa, daí o título, "A Falsa Medida do Homem".
Gould mostra, primeiramente, como esta visão, de certa maneira, já estava enraizada na mentalidade ocidental, principalmente nas classes detentoras do poder, desde a antigüidade grega, originando-se, talvez, de um contexto político. Em seguida ele nos fala sobre a poligenia, ou seja, a idéia de que as "raças" humanas tiveram origens diferentes e de seu principal método, a craniometria; num contexto histórico anterior a Darwin. Dentre outros pesquisadores, o autor releva o nome de George Morton, cujos trabalhos visavam a hierarquização das raças humanas a partir das medidas do crânio. O determinismo biológico relacionado a antropologia criminal, de acordo com as análises da anatomia humana do início deste século, também é tratado com profundidade pelo autor. Um dos temas mais polêmicos discutidos por Gould esta relacionado ao Quociente de Inteligência e os testes aplicados para a determinação do mesmo, bem como a suposta hereditariedade desta abstrata característica. Ainda com relação aos famosos testes de Q.I., o autor analisa o famoso caso do psicólogo Sir Cyril Burt, que, entre outras coisas, forjou dados e personagens para validar suas hipóteses. Gould finaliza o livro, fazendo uma reflexão positiva deste seu estudo sobre o determinismo biológico. Todos os temas foram escritos numa linguagem muito rica, com diversas citações das personalidades envolvidas e ilustrações bem esclarecedoras, sempre dentro do contexto histórico de então, o que torna a leitura agradável e muito interessante. Esta é a característica principal das obras de Gould, considerado dos mais importantes evolucionistas atuais e grande divulgador da ciência.

Fazendo uma breve consideração a respeito de tema tão polêmico, não podemos deixar de lembrar o quanto as idéias que permeiam o determinismo biológico ainda estão presentes na historia contemporânea. É estarrecedor notarmos a que ponto chegou sua aplicação, manchando a história da humanidade por quase todo este século que termina. Os terríveis programas de limpeza étnica e de esterilização de pessoas consideradas abaixo do padrão "normal", realizados por países como Estados Unidos, Alemanha, Turquia, União Soviética e Dinamarca, na primeira metade deste século, e Iugoslávia, mais recentemente. Comportamentos racistas extremos, surgidos há duas décadas, tanto na Europa como nos Estados Unidos. A terrível política do apartheid, na África do Sul, bem como, muitas outras questões relacionadas a perseguição de minorias. Enfim, todos estes exemplos se enquadram no contexto do determinismo biológico.

A leitura atenta deste livro, portanto, poderá fornecer uma compreensão histórica sobre assunto, necessária para a formação de uma sociedade mais pluralista e livre de preconceitos.

Antonio Carlos Bandouk
e-mail: acbandouk@hotmail.com

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET