HISTORIANET

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

 Em cerimônia nas montanhas de Vosges, fronteira entre os dois países, presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importância da reconciliação entre franceses e alemães para a paz na Europa.

Uma cerimônia celebrada neste domingo (03/08/14) em Colmar, na região francesa da Alsácia, lembrou os 100 anos do início da Primeira Guerra Mundial. Em memória dos 30 mil soldados franceses e alemães que perderam a vida no monte Hartmannsweilerkopf, na fronteira entre os dois países, os presidentes da França, François Hollande, e da Alemanha, Joachim Gauck, colocaram cruzes no local onde em 2017 será inaugurado um memorial.

Gauck ressaltou que a montanha, também chamada de "devoradora de homens" (do francêsmangeur d'hommes), simboliza, como poucos lugares, o absurdo e o quão assustadores foram aqueles anos entre 1914 e 1918. "A Primeira Guerra foi um dos períodos mais terríveis e sombrios de nossa história comum", afirmou o presidente alemão.

Ele ressaltou ainda que o fanatismo levado até o sacrifício próprio foi resultado da "aterrorizante cegueira intelectual e moral". "Aqui, a Europa traiu o que seus valores, sua cultura e sua civilização promoveram", afirmou Gauck. O presidente disse que o nacionalismo extremado levou a Alemanha a entrar em duas guerras no século passado e a lutar contra a França por duas vezes.

 

Modelo de reconciliação para o mundo

 

"A Europa conseguiu superar a guerra", afirmou Hollande em seu discurso. "Depende bastante da relação de amizade entre alemães e franceses para que o sonho de se chegar ao ideal europeu permaneça, e uma vida em paz seja garantida. É dever de cada geração defender a paz."

 

Para o presidente francês, a reconciliação entre França e Alemanha – as duas maiores economias da Europa – poderia servir de exemplo para o mundo. Os dois países compartilham o mesmo ponto de vista no que diz respeito à crise na Ucrânia, por exemplo, acredita Hollande. Ele ainda ressaltou: "relembrar o passado não é nostalgia, é aprender com a história."

"Depois de a Alemanha ter atacado a França tanto na Primeira, quanto na Segunda Guerra, nós alemães agora só podemos ver essa reconciliação como um presente", afirmou Gauck durante a cerimônia no alto das montanhas de Vosges. Para ele, a Europa junta não é um "capricho da história".

Gauck destacou que as instituições europeias são uma segurança contra aberrações e tentações. Ele ainda alertou sobre tendências populistas que pregam ideias "baratas" com slogans antieuropeus. "Aprendemos, por meio de lições dolorosas, a transformar a polarização em diversidade", afirmou.

Nesta segunda-feira, na Bélgica, o presidente alemão participa da cerimônia europeia em lembrança dos 100 anos do início da Primeira Guerra. Representantes de outros 30 países são esperados no evento.

No dia 3 de agosto de 1914, o então Império alemão declarou guerra à França. O conflito, inicialmente restrito aos dois países, acabou se transformando na Primeira Guerra Mundial.


 notícia de DW.DE

 

 conheça EU VOU PASSAR NO ENEM

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET