HISTORIANET

Notícias

Série refaz a trajetória de líderes da Segunda Guerra

Produção mistura reconstituição de fatos históricos e entrevistas com políticos

Por Graciliano Rocha
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DE PARIS

Tropas alemãs escapam de ataque com gás durante a 1ª Guerra Mundial. Quando tira a máscara antigás, um dos soldados focados pela câmera é Adolf Hitler. Feito prisioneiro pelo inimigo, um jovem capitão francês chamado Charles De Gaulle foge da fortaleza de Ingolstadt (Alemanha).

Com seis episódios de uma hora de duração cada um, a minissérie "Guerras Mundiais", que será exibida pelo History Channel a partir desta segunda (28), às 21h, reconstitui as trajetórias de líderes mundiais desde suas experiências na Primeira Guerra (1914-1918) até assumirem papéis-chave na Segunda Guerra (1939-1945).

A produção utiliza dois atores --um jovem e outro mais velho-- para interpretar Hitler, Churchill, Mussolini, Roosevelt, Stalin, De Gaulle e o primeiro-ministro japonês Hideki Tojo e montar a crônica de como a brutalidade da Primeira Guerra e os termos do Tratado de Versalhes contribuíram para um novo conflito.

A linguagem híbrida mistura o entretenimento de reconstituições dramáticas e efeitos especiais com o documentário, entrevistando historiadores renomados e políticos, como o ex-secretário de Estado americano Colin Powell e os ex-primeiros-ministros John Major (Reino Unido) e Mario Monti (Itália).

Ao falar sobre Hitler, o historiador britânico Richard Evans, da Universidade de Cambridge, diz que a experiência da Primeira Guerra "projetou uma imagem de força e determinação da Alemanha", fator fundamental para o discurso político que levou os nazistas ao poder.

Ao contar a história a partir da juventude e amadurecimento dos líderes mundiais, a série adotou como premissa histórica que a Primeira e a Segunda Guerras foram um único conflito, de longa duração, interrompido por uma frágil trégua entre as décadas de 1920 e 1930.

"A França saiu arruinada e humilhada de 1870 [Guerra Franco-Prussiana] e sempre se preparou para um novo conflito. Houve a Primeira Guerra e a minha geração cresceu nos anos 1930 marcada pela ideia de que um novo embate era simplesmente inevitável", disse Bernard De Gaulle, 91, sobrinho do general e ex-presidente francês.

CONTEXTO

Um dos questionamentos feitos à produção da série é que o roteiro minimiza a importância das conjunturas sociais e econômicas das guerras para privilegiar o papel de indivíduos.

Para Steven Gillon, historiador da Universidade de Oklahoma (EUA) e consultor do History Channel, as circunstâncias gerais criam o contexto, mas são as qualidades pessoais que levam os indivíduos a tomar decisões que podem alterar o curso da História.

"Na França em 1940, vencida e ocupada pelos alemães, De Gaulle poderia ter feito uma outra escolha, mas foi louco o suficiente para dizer não' e interferir diretamente", disse Johann Chapoutot, da Universidade de Grenoble.

A versão internacional de "Guerras Mundiais" que será exibida no Brasil difere bastante da apresentada nos EUA no início de junho.

Com quase 50 minutos a mais nos seis episódios, essa versão enfatiza o papel de personagens mais conhecidos do público norte-americano, como os generais McArthur e Patton.

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET