HISTORIANET

Notícias

Revolução de 1924

Exposição online
discute a Revolução de 1924


 Apesar dos estragos causados em diversas cidades, este
episódio da história brasileira acabou "esquecido" pela população


 Entre os professores de história, o “Movimento Tenentista” é
um assunto bastante discutido em sala de aula. Porém um episódio ainda pouco
conhecido pela população pode ajudar os estudantes a entender um pouco mais
esse conturbado momento da nossa história: A Revolução de 1924.


   Para isso, o Arquivo
Público do Estado de São Paulo desenvolveu uma exposição online que revela um
pouco mais sobre este evento marcante na história brasileira. Entre os
documentos que serviram de base para esta exposição estão processos criminais
instaurados contra os rebeldes após a Revolução de 1924 e cartas dos líderes
deste movimento, além de jornais e revistas da época. A Revolução de 1924 é
contada em 9 “salas” rica em textos e ilustrações (http://www.arquivoestado.sp.gov.br/exposicao_revolucao


 O Brasil do início do século XX é marcado por um período de
crise econômica, motivada pela queda das exportações causadas pela Primeira
Guerra Mundial, e uma crise política gerada pela insatisfação de alguns grupos
com a chamada política café com leite. Esse cenário faz eclodir uma série de
levantes contra o regime no Rio de Janeiro, em 1922; em São Paulo, em 1924 e
seguem até o final dos anos 1920 com a Coluna Prestes no interior do Brasil.


 Os “revolucionários” de 1924 eram em sua maioria tenentes e
capitães do setor intermediário das Forças Armadas. O conflito propriamente
dito aconteceu entre os dias 5 e 28 de julho e é considerado o mais violento já
ocorrido na cidade de São Paulo. Essa data foi escolhida para fazer referência
a outro movimento tenentista: Revolta do Forte de Copacabana, conflito armado
entre o Governo Federal, representado pela figura do Presidente da República e
parte das Forças Armadas, no dia 5 de julho de 1922.


 


A cidade de São Paulo foi escolhida como marco inicial pelos
militares para começar uma Revolução que deveria tomar o Brasil. O plano dos
“revolucionários” era controlar a cidade, bloquear ferrovias, telefones e
telégrafos, impedindo o Governo Federal de reagir. Entre as trágicas
conseqüências deste conflito estão as mais de mil vítimas fatais e 4 mil
feridos, além da destruição de bairros como Brás, Mooca, Cambuci, Belenzinho e
Ipiranga, os mais atingidos. No dia 28 de julho as tropas rebeldes saem de São
Paulo e a cidade tenta se recuperar os estragos.


 


Apesar de derrotados, os “revolucionários” não deixaram de
influenciar outros movimentos da época. Parte das tropas rebeldes se juntaria à
Coluna Prestes, vinda do Sul, para formar a Coluna Miguel Costa-Luis Carlos
Prestes, que denuncia problemas sociais e políticos do Brasil. A Revolução de
1924 não teve o apoio dos conservadores, tampouco foi planejada pela elite
paulista, como ocorreria na Revolução de 1932, o que explica o esquecimento
desse episódio da história de São Paulo.


 


A Revolução de 1924
na sala de aula


 A exposição é um recurso pedagógico que também pode ser
aproveitado pelo professor, já que possibilita discutir com os seus alunos
documentos produzidos na época dos acontecimentos. Além destes documentos e
textos explicativos, professores e alunos ainda têm acesso a 11 atividades
pedagógicas para trabalho em sala de aula, preparadas de acordo com os
Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) para as séries do ensino fundamental.


  O Núcleo de Ação
Educativa foi o responsável por pesquisar fontes bibliográficas e documentais
para montar a exposição virtual, além de criar as atividades pedagógicas. Foram
aproximadamente 4 meses de preparação até a exposição ir ao ar. Completam a
exposição uma listagem com referência a outros documentos que tratam o tema,
indicações de leitura e links interessantes sobre o período.


 


Sobre o Arquivo
Público do Estado de São Paulo


 O Arquivo Público do Estado de São Paulo é um dos maiores
arquivos públicos brasileiros. Vinculado à Casa Civil do Estado de São Paulo, s
ua função é formular uma política estadual de arquivos e recolher, tratar e
disponibilizar ao público toda documentação de caráter histórico produzido pelo
Poder Executivo Paulista. A instituição mantém sob sua guarda aproximadamente 6
mil metros lineares de documentação textual permanente, 17 mil metros de
documentação intermediária, 900m de material iconográfico, grande quantidade de
jornais e revistas e uma biblioteca de apoio à pesquisa com 45 mil volumes.


 


Acesse:  http://www.arquivoestado.sp.gov.br/exposicao_revolucao/

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET