HISTORIANET

Brasil Império

Para vencer na vida

 Para vencer na vida
Mesmo sofrendo os horrores do tráfico negreiro e da escravidão, uma africana conseguiu comprar sua liberdade, adquirir bens e ainda abrir um processo de divórcio
Por Juliana Barreto Farias


A travessia do Atlântico durava mais de dois meses. Espremidos nos porões dos navios negreiros, milhares de homens, mulheres e crianças suportavam calor, sede, fome, sujeira, ataques de ratos e piolhos, surtos de sarampo ou escorbuto. Muitos não resistiam, e acabavam jogados ao mar. Mas nem mesmo tantos maus-tratos impediam o nascimento de novas vidas. Em princípios do século XIX, uma jovem africana que estava vindo para o Rio de Janeiro deu à luz em plena viagem. Foi seu filho, Manoel José da Conceição Coimbra, quem lembrou essa história muitos anos depois.

Para provar que a africana, batizada no Rio com o nome de Rita Maria da Conceição, era mesmo sua mãe, ele juntou fios de histórias que ainda guardava na memória a alguns registros escritos, como certidões de batismo, casamento e óbito. O relato – anexado ao processo que abriu em 1846, para garantir a herança materna, na Vara Cível do Rio de Janeiro – podia até parecer seco e muitas vezes impreciso. Ainda assim, reconstituía, como poucos, parte de suas experiências naquele “infame comércio” de africanos.

Rita saíra de Cabinda, no Centro-Oeste da África, ao norte do Rio Zaire. Boa parte dos negreiros que chegavam ao Rio de Janeiro vinha dessa região. Ao cruzarem o oceano, eles deixavam para trás pátria, família, casa e deuses; tinham que encarar uma nova vida numa terra desconhecida. Mas já nos “tumbeiros” (como também eram chamadas essas embarcações), começavam a formar novos laços.

A jovem africana e seu filho recém-nascido conseguiram aportar na capital do Império brasileiro. Segundo Manoel José, “chegando a esta cidade o navio em que vinham”, foram vendidos “no Valongo a Miguel José Taveira, que fez batizar a ambos por seus escravos”. Acomodados num dos armazéns que se espalhavam pela Rua do Valongo, maior entreposto de comércio escravista do país, devem ter ficado por algum tempo expostos à curiosidade dos possíveis compradores. Arrematados por um senhor português, logo receberam nomes cristãos na igreja da freguesia de Santana: Rita e Manoel José. (...)

Leia a matéria completa na edição de Março, que conta ainda com os sguintes textos

Cartada final
Assediados por seus senhores, escravos recorreram à Inquisição para frear os abusos sexuais que sofriam

Escrava por (falta de) opção
Livre de nascença, a cafuza Joanna Baptista vendeu sua própria liberdade para ter condições de sobreviver

Versos negros
Por meio de um manifesto intitulado ABC, uma seita cristã ensinava os “morenos” a ler e questionava a dominação dos brancos
Crioulos no tribunal
Na tentativa de obter a liberdade, cativos entraram com uma enxurrada de ações judiciais durante a colônia e o império

Outros poderes
Ao criar novas organizações religiosas, africanos e crioulos viravam líderes e promoviam revoltas

Reportagem - Trabalho indecente
Enganados pelos patrões, contraindo dívidas impagáveis e vivendo em péssimas condições, os escravos de hoje continuam espalhados pelo Brasil

Acesse o site da Revista de História
 

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET