HISTORIANET

Vestibulares

Unifesp 2010

1) (...) é no último quartel do século VII [a.C.] que a economia das cidades (...) volta-se decididamente para o exterior; o tráfico por mar vai então amplamente ultrapassar a bacia oriental do Mediterrâneo, entregue a seu papel de via de comunicação. A zona dos intercâmbios estende-se a oeste até a África e à Espanha, a leste até ao Mar Negro.
(Jean-Pierre Vernant. As origens do pensamento grego. São Paulo: Difel, 1991.)
O texto fala da expansão das cidades gregas no século VII a.C. Explique
a) por que o autor chama o Mar Mediterrâneo de “via de comunicação”.
b) os principais motivos dessa expansão.

Resposta:
a) porque era através do Mediterrâneo que ocorria a circulação de mercadorias, ligando as cidades gregas a suas colônias ou a outras cidades com as quais faziam comércio.
b) o crescimento populacional foi determinante para a expansão das atividades econômicas, principalmente daquelas que não dependiam da terra, uma vez que o território grego é montanhoso. Dessa forma o comécio foi incrementado, absorveu parte da mão-de-obra da cidade e criou uma nova dinâmica econômica.

2) Mercantilismo é o nome normalmente dado à política econômica de alguns Estados Modernos europeus, desenvolvida entre os séculos XV e XVIII. Indique
a) duas características do Mercantilismo.
b) a relação entre o Mercantilismo e a colonização da América.

Resposta:
a) O mercantilismo é definido como a política econômica do Estado Absolutista, caracterizado por metalismo, - na medida em que considera que são os metais preciossos que definem a riqueza da nação - intervencionismo, protecionismo estatais e Balança comercial favorável.
b) A América foi considerada como área fornecedora de riquezas. Os metais extraídos da América gerariam as riquezas das nações metropolitanas, assim como os genêros tropicais que podiam ser comercializados na Europa. Dessa forma, as metrópoles definiram o pacto colonial, caracterizado pelo monopólio, que garantia controle exclusivo sobre as áraes coloniais.



3) A paz não passa de um engodo, de uma quimera, de um sonho fugaz; a indústria tornou-se o suplício dos povos, depois que uma ilha de piratas [refere-se à Inglaterra] bloqueia as comunicações (...) e transforma suas fábricas e oficinas em viveiros de mendigos.
(Charles Fourier. Théorie des quatre mouvements (1808), in OEuvres complètes. Paris: Anthropos, vol. I, 1978, citado por Elias Thomé Saliba. As utopias românticas. São Paulo: Estação Liberdade, 2003.)
O fragmento, escrito em 1808, mostra a visão de Charles Fourier acerca do nascimento das fábricas. Explique
a) por que o autor chama as fábricas de “viveiros de mendigos”.
b) o que leva o autor a afirmar que a Inglaterra “bloqueia as comunicações”.

Resposta:
a) O autor faz uma referência a situação de superexploração imposta aos operários nas fábricas inglesas, caracterizada pelas longas jornadas de trabalho, salários irisórios e condições insalubres. Consequência direta dessa situação era a situação de vida, pois os operários viviam em verdadeiros cortiços, grandes formigueiros humanos sem as míninas condições de vida.
b) O texto de Fourier, 1808, faz referência ao conflito envolvendo Ingalterra e França, que teve dois momentos importantes antes desse ano. Em 1805 a vitória dos ingleses em Trafalgar, que teve como consequência a perda de todas as posições francesas no mar e a imposição de um bloqueio naval por parte dos ingleses à França. Em 1806, o Bloqueio Continental, imposto por Napoleão à Ingaletrra, numa tentativa de revidar as medidas inglesas, exigindo que as nações européias deixassem de comercializar com a Inglaterra, imposição esta que ampliou os conflitos franceses e sua crise interna, levando o autor a encarar a Inglaterra como “culpada”.

4) O Plano de Metas de Juscelino Kubitschek, presidente brasileiro de 1956 a 1961, apontava cinco áreas prioritárias de investimentos estatais: energia, transporte, alimentação, indústria e educação. Indique
a) o tipo de industrialização privilegiado pelo Plano de Metas.
b) as atribuições que, de acordo com o Plano de Metas, o Estado brasileiro assumia para estimular o crescimento econômico.

Resposta:
a) O Plano de Metas privilegiou principalmente a instalação de indústrias de bens de consumo duráveis, destacando-se a indústria automobilística e reforçou a indústria de base.
b) O Estado seria o agente definidor e dinamizador das atividades econômicas, na medida em que era o responsável por planejar o desenvolvimento. O Estado interveio na montagem das novas áraes industriais e promoveu o investimento público em setores paralelos como energia e transporte. Segundo o Plano de Metas a industrialização se daria a partir da parceria entre o capital estrangeiro, o capital nacional e a ação do Estado.

5) A repressão às manifestações dos trabalhadores do campo e da cidade foi uma das consequências mais imediatas e evidentes da chegada dos militares ao Palácio do Planalto. Houve intervenção nos sindicatos, prisão dos líderes mais destacados, fechamento – por decreto – de sindicatos rurais, além da proibição da existência de entidades intersindicais (...). O controle sobre a economia, a censura imposta aos meios de comunicação, a legislação antigreve, as restrições à livre manifestação permitiram comprimir significativamente os salários.
(Tania Regina de Luca. Indústria e trabalho na história do Brasil. São Paulo: Contexto, 2001.)
O texto trata da ação repressiva durante o regime militar brasileiro (1964-1985). Indique:
a) duas características do regime militar brasileiro na relação com os movimentos sociais e a oposição.
b) a relação, estabelecida pela autora, entre autoritarismo político e compressão salarial.

Respostas
a) O regime militar se caracterizou pela repressão física aos movimentos de oposição, com a prisão de líderes sindicais, de entidades estudantis, de movimentos de oposição, parte deles com direitos políticos cassados e exilados. Outra forma de relação foi a censura aos meios de comunicação e a livre manifestação dos cidadãos, proibindo e reprimeindo atividades de crítica, inclusive aquelas que se utilizam da arte – notadamente a música e o teatro.
b) Na medida em que as entidades sindicais que congregavam os trabalhadores sofreram intervenção e tiveram sua ação reprimida, a organização dos trabalhadores perdeu força, com suas lideranças presas ou banidas, tornou-se mais fácil para o govervo militar impor uma política salarial caracterizada pelo arrocho.
 

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET