HISTORIANET

Notícias

Intolerância na Suiça

A Suíça e o voto pela intolerância

Revista Fórum

 

Contra todas as sondagens, a proposta da extrema-direita para proibir a construção de minaretes nas mesquitas islâmicas do país saiu vencedora do referendo, tendo obtido cerca de um milhão e meio dos votos, 57,5% dos votos. Agora a proibição será contestada no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos por ir contra a liberdade religiosa.

 

As ondas de choque do resultado rapidamente ultrapassaram as fronteiras da Suíça. Para o líder da grande mesquita francesa de Lyon, "trata-se de um voto de intolerância, que vira as costas às bases jurídicas que em todo o mundo garantem a liberdade de religião". Kamel Kabtane apela "a uma reação de todos os muçulmanos, dos fiéis de todas as religiões e de todos os democratas a nível europeu para impedir que esta votação, contrária aos fundamentos do direito, venha a tornar-se lei."

 

 Do lado da Anistia Internacional, a condenação do resultado do referendo foi imediata. "A proibição genérica da construção de minaretes viola dos direitos dos muçulmanos na Suíça de manifestar a sua religião. E pode causar estragos duradouros para a sua integração", afirmou o porta voz da Anistia para a Europa, David Diaz-Jogeix. A Anistia considerou em comunicado que este resultado "viola tanto a liberdade religiosa dos muçulmanos residentes no país, como a proibição da discriminação na base de crenças religiosas, tal como estabelecida em diversos instrumentos internacionais de direitos humanos de que a Suíça faz parte".

 

 O porta-voz dos bispos católicos suíços afirmou à rádio Vaticano que o resultado "é um golpe para a liberdade religiosa e a integração", e que contraria, na opinião de Felix Gmür, o Concílo Vatinano II quando afirma que "é lícito para todas as religiões contruir edifícios religiosos, e os minaretes são edifícios religiosos".

 

 Como não podia deixar de ser, os líderes da comunidade muçulmna na Suíça também reagiram mal à votação, por se traduzir num aumento do sentimento anti-muçulmanos no conjunto da população. "O mais doloroso não é a proibição dos minaretes, mas a mensagem transmitida por esta votação", afirmou Farhad Afshar, coordenador das Organizações Islâmicas na Suíça. A comprovar esse sentimento, durante a campanha várias mesquitas foram vandalizadas.

 

 As reações políticas da esquerda vão no mesmo sentido. Enquanto o Partido Socialista responsabilizou "os meios econômicos por não se terem empenhado mais na luta contra a verdadeira caça às bruxas das últimas semanas", os "verdes" assinalam que "este resultado mostra o quanto os medos difusos foram alimentados, tendo na verdade pouco que ver com a construção dos minaretes ou o exercício pacífico da liberdade de crença".

 

 Calcula-se que vivam na Suíça cerca de 400 mil muçulmanos, dos quais 50 mil são praticantes. Nas 180 mesquitas do país, apenas quatro têm as torres construídas, embora sem apelos sonoros à oração. Estes quatro minaretes não são postos em causa pelo referendo. Foram também quatro os cantões que rejeitaram esta proposta do Partido Popular Suíço, tendo os restantes 22 apoiado a iniciativa.

 

Noutros referendos realizados em simultâneo, os suíços rejeitaram a proposta de proibir a exportação de material de guerra e aprovaram mais ajudas financeiras ao tráfego aéreo. Num referendo consultivo em Vaud, um dos cantões suíços, 64% dos eleitores rejeitaram o prolongamento da exploração da central nuclear de Mühleberg.

 

Com informações do Esquerda.net.
 

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET