HISTORIANET

Livros

Mercantilismo







O Mercantilismo – Pierre Deyon


 


Livro: O Mercantilismo


Autor: Pierre Deyon


Editora: Perspectiva


Páginas: 116


 


          A obra O Mercantilismo de Pierre Deyon, embora bastante resumida, apresenta um conteúdo de excelente qualidade mostrando o momento histórico que foi o mercantilismo. Primeiro Pierre inicia o conteúdo de seu livro com uma cronologia dos fatos essenciais e com significados do período em questão, desde 1942 quando Cristóvão Colombo descobre as Antilhas até 1776 quando é dada a Declaração de independência dos Estados Unidos. Pierre procura definir em seu livro que o mercantilismo não foi apenas um período comercial, mas sim um sistema manufatureiro, agrícola e toda uma concepção do poder estatal. Ele procura relatar a confusão que se criou entre a história dos fatos e das teorias econômicas, mesmo porque a palavra mercantilismo não é contemporânea, os homens que viveram entre os séculos 15 e 18 não usavam este termo para definir seu sistema econômico da época, Pierre vai mais além, ele diz que o mercantilismo foi batizado por seus adversários, e desta maneira não o definiram corretamente, simularam apenas seu aspecto comercial, e atribuíram ao adjetivo mercantil um matiz pejorativo e odioso.   (imagem)


          Na visão do autor o mercantilismo esta ligado aos antecedentes medievais, a comuna legou ao Estado moderno uma solida tradição na vida econômica e social, os Estados monárquicos do século XV e XVI, o mercantilismo que começa se firmar na França e na Inglaterra na segunda metade do século XV estendeu aos limites das jovens monarquias nacionais as preocupações e as práticas da Idade Média, mas é somente no século XVI que aparecem os primeiros sinais de uma economia mercantilista. Do decorrer do livro o autor explica de maneira prática e de fácil entendimento todos os movimentos mercantis de diferentes países, demonstrando exemplos entre eles, ele explica que a França e a Inglaterra foram capazes de conduzir no século XVII uma política econômica coerente, a Espanha era relativamente fraca, a Itália muito dividida e devastada pela guerra e a Suécia muito ligada à economia das Províncias Unidas. Os tipos de mercantilismo também foram bem divulgados pelo autor, como o metalismo e o bulionismo na Espanha, o colbertismo na França, devido a Colbert que mais incentivou o industrialismo mercantilista francês, já na Inglaterra ficou conhecido como comercialismo, devido à proximidade com o comércio exterior.


          Um fator muito importante que senti falta neste livro é o sistema colonial, afinal a colonização se enquadra no conjunto de práticas mercantilistas como o monopólio e o protecionismo, a colônia cumpria sua tarefa possibilitando grandes lucros para o Estado e para a burguesia mercantil, embora ele comente sobre a balança comercial favorável, não explica que esta era possível através das colônias. No final do livro o autor expõe alguns documentos e depoimentos do período mercantilista de extrema importância, que acredito que o próprio autor os tenha estudado minuciosamente para chegar as conclusões que expôs em seu livro sobre o mercantilismo, um deles que chamou muito minha atenção foi o documento nove, o mercantilismo segundo Colbert, em que ele deixa claro a importância da riqueza para seu país naquele momento, em que os lucros são a coisa mais importante, e que para serem bem sucedidos precisam estar sempre em vantagem a qualquer custo. Este é um livro muito útil ao período estudado, em que o autor conseguiu passar de um modo geral um período muito importante que lutava por uma economia satisfatoria, o mercantilismo comporta uma significação social, religiosa e assinala um marco na história do pensamento cientifico.


 


 


Resenha


Profa. Helen Silvia Batista


Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET